Anuncie

(21) 98462-3212

E-mail

comercial@meusbichos.com.br

Aprenda a lidar com a gravidez psicológica

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
A gravidez psicológica é um distúrbio comportamental comum em cadelas. Foto: Pixabay

A poodle Belinha, de 4 anos, há dois meses “adotou” uma girafinha de pelúcia como sua filha. Explica-se: Belinha sofre de gravidez psicológica ou pseudociese. O problema acontece quando a fêmea, mesmo sem estar prenhe, apresenta alterações físicas e de comportamento, passando a adotar objetos ou até mesmo outro animal como sua cria. O quadro pode durar de uma a três semanas e é mais frequente em cadelas que nunca cruzaram ou não foram fecundadas e têm entre dois e cinco anos de idade.

A gravidez psicológica ocorre por uma ação hormonal. Geralmente, após o cio, há queda na produção de progesterona e aumento da prolactina. “Com o término do cio, a cadela tem a sensação de estar prenhe. O animal chega a desenvolver um inchaço abdominal e as mamas, em muitos dos casos, produzem leite. E quanto mais a cadela lambe as mamas, mais leite é produzido”, explica a veterinária Elisângela Ribeiro.

Para evitar o desconforto ao ver as mamas inchadas sem filhotes para amamentar, recomenda-se passar iodo nas tetas para secar. Com o fim da gravidez psicológica, tudo volta ao normal.

Segundo a veterinária, após a regressão da falsa gravidez, o ideal é submeter o animal a ovário-histerectomia (castração) ou promover o acasalamento, caso o tutor deseje ter mais cachorros em casa – nesse caso, lembre-se da posse responsável!

“Isso evitará a repetição do problema que, se for frequente, aumenta consideravelmente o risco de desenvolver tumores de mama, infecção uterina e cistos ovarianos”, complementa a veterinária.

A tutora da poodle Belinha, pedagoga Monique Alves, optou pela castração para que os sintomas de gravidez psicológica sejam eliminados. “Ela sofre com as mamas inchadas e por não conseguir amamentar o seu filhote imaginário. E eu sofro junto. Adiei essa decisão por muito tempo, esperando o melhor momento para castrá-la e se realmente haveria essa necessidade. E ela acabou desenvolvendo a gravidez psicológica. Agora vejo que a castração é o melhor para a saúde dela, e quanto mais precoce, melhor”, constata.