Anuncie

(21) 98462-3212

Caçador suspeito de matar 70 tigres de Bengala é capturado após perseguição de 20 anos

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Em Bangladesh, a população de tigres de Bengala caiu de 440 em 2004 para um mínimo recorde de 106 em 2015. Foto: Pixabay

A polícia de Bangladesh, na Índia, prendeu um notório caçador procurado há 20 anos e suspeito de matar cerca de 70 tigres de Bengala ameaçados de extinção.

Saidur Rahman, o chefe da polícia local, disse que Habib Talukder – apelidado de “Tiger Habib” – vivia próximo à floresta e fugia sempre que os policiais faziam batidas na área.

“Agindo com base em uma denúncia, finalmente conseguimos e o mandamos para a prisão”, disse ele.

O terreno de caça de Talukder era a vasta área de floresta de mangue de Sundarbans entre a Índia e Bangladesh, que abriga uma das maiores populações de tigres de Bengala do mundo.

As peles, ossos e carne dos gatos selvagens seriam comprados por comerciantes do mercado negro, que os venderiam na China e em outros lugares.

Talukder, 50, começou a coletar mel de abelhas selvagens na floresta e se tornou conhecido por suas façanhas na caça de felinos e em escapar da prisão.

“Nós o respeitamos igualmente e temos medo dele”, disse Abdus Salam, um caçador de mel local. “Ele é um homem perigoso que poderia lutar sozinho com Mama [tigre] dentro da floresta.”

Os tigres de Bengala são únicos entre os grandes felinos por serem capazes de viver e caçar na água salobra das florestas de mangue. Eles são nadadores experientes.

De acordo com o departamento florestal de Bangladesh, a população de tigres de Bengala caiu de 440 em 2004 para um mínimo recorde de 106 em 2015.

Em 2019, a população havia aumentado para 114 graças à repressão à caça furtiva e ao banditismo na região.

Mainuddin Khan, um oficial de conservação florestal regional, disse que a notícia da prisão de Talukder trouxe “suspiros de alívio”.

“Ele foi uma grande dor de cabeça para nós. Ele representava uma grande ameaça para a biodiversidade da floresta ”, disse ele.

Fonte: The Guardian