Anuncie

(21) 98462-3212

E-mail

comercial@meusbichos.com.br

‘Limpar’ a terra para alimentar uma crescente população humana ameaçará milhares de espécies

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A necessidade crescente da humanidade por alimentos está se chocando com a necessidade de espaço de milhares de outras espécies.

Em 2050, os humanos podem precisar limpar 3,35 milhões de quilômetros quadrados adicionais de terra para a agricultura. A conversão desses habitats em grande parte naturais, coletivamente do tamanho da Índia, espremeria mais de 17 mil espécies de vertebrados de algumas de suas terras , relatam pesquisadores em um estudo publicado em 21 de dezembro na revista “Nature Sustainability”.

“Mas mudar como, onde e quais alimentos são cultivados pode minimizar os impactos?”, questiona o cientista conservacionista David Williams, da Universidade de Leeds, na Inglaterra. “Podemos alimentar o planeta sem estragá-lo muito.”

Para descobrir como, Williams e seus colegas identificaram primeiro habitats com maior probabilidade de serem desmatados para cultivo. A equipe então calculou a quantidade de alimentos necessária para sustentar o crescimento populacional humano projetado para 152 países e mapeou onde as safras provavelmente seriam cultivadas em cada um, com base em parte nas mudanças anteriores no uso da terra. Em 2050, os 13 milhões de quilômetros quadrados de terras cultiváveis ​​do mundo precisariam aumentar em 26%, concluiu a equipe. Esse crescimento está amplamente concentrado na África Subsaariana, Sul e Sudeste da Ásia.

Os pesquisadores então sobrepuseram essas estimativas em mapas de distribuição de quase 20 mil espécies de pássaros, anfíbios e mamíferos. Enquanto quase todas essas espécies perderiam algum habitat, a equipe estima que 1.280 espécies perderiam pelo menos 25% de seus intervalos e 96 espécies perderiam pelo menos 75%.

A revisão do sistema alimentar global quase poderia apagar essas perdas de biodiversidade, diz a equipe. Entre as mudanças: melhorar o rendimento das safras, fazer a transição para dietas mais baseadas em vegetais, reduzir pela metade a perda e o desperdício de alimentos e aumentar as importações de alimentos para países onde a expansão agrícola ameaça a maioria das espécies. A implementação de todas as quatro táticas na verdade reduziria a área de cultivo do mundo em 3,4 milhões de quilômetros quadrados em meados do século e resultaria em apenas 33 espécies perdendo mais de um quarto de sua área natural, descobriu a equipe.

Conseguir isso pode ser politicamente inviável, diz Williams, mas mudanças menos agressivas ainda podem ter grandes impactos. O mundo precisa alimentar uma população crescente, mas isso pode ser feito de forma mais sustentável, diz ele.

Fonte: Science News