Anuncie

(21) 98462-3212

E-mail

comercial@meusbichos.com.br

Pesquisadores da Uerj fazem imagens raras de mamíferos aquáticos na Baía de Ilha Grande

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
As toninhas são uma espécie de golfinho ameaçada de extinção. Foto: Divulgação

O Maqua (Laboratório de Mamíferos Aquáticos e Bioindicadores) da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) identificou e fez imagens raras de uma espécie de golfinhos ameaçada de extinção, as toninhas, na Baía de Ilha Grande. A identificação foi possível graças a um encadeamento de pesquisas. Expedições do Maqua que estudavam outros mamíferos marinhos já haviam encontrado o animal naquela região no início da década de 2000, mas indícios apontavam ser uma espécie que estava passando pelo local.

Em 2017, em parceria com o Inea (Instituto Estadual do Ambiente), começou um grande projeto nas baías de Sepetiba e da Ilha Grande. O objetivo era pesquisar o boto-cinza, mas também verificar a presença de outras espécies. Nesse período foi constatado um registro grande das toninhas na região entre Paraty e Angra dos Reis.

A partir dessas observações foi desenvolvido outro projeto, dessa vez em parceria com o Funbio (Fundo Brasileiro para a Biodiversidade), para tentar descobrir se esses animais realmente eram residentes da região. Foi delimitada uma área de trabalho e planejou-se uma expedição, primeiro com uma embarcação e na sequência com o uso de drones.

“Foi um sucesso, a nossa aposta na localidade onde os cetáceos (mamíferos marinhos) deveriam estar foi certeira. A gente estava na esperança de encontrá-los, mas foi uma surpresa ter sido já no primeiro dia. Nós encontramos um grupo e acompanhamos por uma hora, evidenciando que ficam na Estação Ecológica de Tamoios”, afirmou o oceanógrafo e coordenador do Maqua, José Lailson Brito.

Segundo o pesquisador, a toninha é um animal pequeno e tímido. Um adulto tem cerca de 1,50 m, e a espécie expõe pouco o dorso quando vai até a superfície respirar, o que torna difícil a observação. O mamífero está criticamente ameaçado de extinção, por ser um animal costeiro que sofre muito com a pesca, poluição e destruição de seu habitat.

“As unidades de conservação do Estado proporcionam uma estrutura de preservação muito forte. Aquela região é tão bonita por ser tão preservada. O descobrimento das toninhas nessa região é mais um motivo para fortalecermos a preservação, já que pelas nossas análises genéticas vimos que essa espécie tem características únicas se comparadas com as toninhas que vivem mais ao Sul do Brasil”, concluiu José Lailson.

Por Vinícius Monteiro/Governo do Estado RJ