Anuncie

(21) 98462-3212

E-mail

comercial@meusbichos.com.br

Populações de tubarões oceânicos caíram 71% desde 1970, aponta estudo científico

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Tubarão-martelo é espécie considerada criticamente ameaçada. Foto: Pixabay

Quando o biólogo marinho Stuart Sandin fala sobre tubarões, parece que ele está descrevendo os ‘Jedis’ do oceanos: “Eles são predadores incríveis, nadadores rápidos e têm sentidos incríveis. Eles podem detectar qualquer perturbação no oceano de grandes distâncias, como cheiros ou pequenas mudanças nas correntes de água.”

Sua habilidade de sentir rapidamente qualquer coisa fora do normal em seu ambiente os ajuda a encontrar presas na vastidão do oceano aberto. Mas também os torna especialmente vulneráveis ​​em face do aumento da pressão pesqueira internacional, já que as frotas pesqueiras globais dobraram desde 1950.

“Você lança uma linha de pesca em mar aberto e, muitas vezes, são os tubarões que chegam primeiro – sejam eles o alvo principal ou não”, disse Sandin, que trabalha no Scripps Institution of Oceanography.

Os cientistas sabem há décadas que as espécies individuais de tubarões estão diminuindo, mas um novo estudo baseado em 57 conjuntos de dados globais ressalta o quão dramaticamente as populações mundiais entraram em colapso na última metade do século.

Globalmente, a abundância de tubarões e raias oceânicas caiu mais de 70% entre 1970 e 2018, de acordo com um estudo científico publicado na última quarta-feira na revista “Nature”.

E 24 das 31 espécies de tubarões e raias estão ameaçadas de extinção, enquanto três espécies – tubarões de pontas brancas oceânicas, tubarões-martelo recortados e grandes tubarões-martelo – são consideradas criticamente ameaçadas.

“Os últimos 50 anos foram bastante devastadores para as populações globais de tubarões”, disse Nathan Pacoureau, biólogo da Universidade Simon Fraser, no Canadá, e coautor do estudo.

Às vezes, os tubarões são capturados intencionalmente por frotas pesqueiras, mas com mais frequência eles são enrolados incidentalmente como ” captura acessória”, durante a pesca de outras espécies, como atum e peixe-espada.

Esqueletos feitos de cartilagem

Tubarões e raias são peixes com esqueletos feitos de cartilagem, não de osso. Em contraste com a maioria dos outros tipos de peixes, eles geralmente levam vários anos para atingir a maturidade sexual e produzem menos descendentes.

“Em termos de tempo, eles se reproduzem mais como mamíferos – e isso os torna especialmente vulneráveis. Suas populações não podem se reabastecer tão rapidamente quanto muitos outros tipos de peixes”, disse Pacoureau.

O número de navios pesqueiros navegando em mar aberto aumentou vertiginosamente desde a década de 1950, à medida que a potência do motor expandia o alcance dos navios. E embora as mudanças climáticas e a poluição também ponham em risco a sobrevivência dos tubarões, o aumento da pressão da pesca é a maior ameaça para todas as espécies de tubarões oceânicos.

“Quando você remove os principais predadores do oceano, isso afeta todas as partes da teia alimentar marinha”, disse Stuart Pimm, ecologista da Universidade de Duke, que não esteve envolvido no estudo. “Os tubarões são como os leões, tigres e ursos do mundo oceânico e ajudam a manter o resto do ecossistema em equilíbrio”, completou.

Fonte: Phys.org