Anuncie

(21) 98462-3212

E-mail

comercial@meusbichos.com.br

Tentilhões ‘vampiros’: como os pequenos pássaros de Galápagos adquiriram o gosto pelo sangue de aves maiores

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Para a maioria das pessoas, a palavra vampiro traz à mente personagens como “Drácula”, “Blade” e “Buffy” ou talvez até mesmo os morcegos vampiros da América do Sul. Poucos pensarão em um pássaro pequeno e adorável – o tentilhão.

Mas existem de fato ” tentilhões vampiros ” que se banqueteiam com o sangue de pássaros muito maiores. Essas aves são encontradas nas Ilhas Galápagos, um arquipélago vulcânico localizado a cerca de 1.000 km (600 milhas) da costa do Equador. As ilhas são um oásis de biodiversidade em parte devido ao seu isolamento. Os organismos que de alguma forma conseguem chegar às Galápagos devem se adaptar às condições adversas ou serão extintos.

Um desses grupos de organismos são os tentilhões de Darwin. Nomeado em homenagem ao naturalista Charles Darwin (1809-1882), que coletou exemplos em sua famosa viagem a bordo do navio HMS Beagle, este grupo de tentilhões consiste em várias espécies que evoluíram de um ancestral comum. Cada espécie desenvolveu um tamanho e formato de bico diferentes, o que permite explorar diferentes itens alimentares. Por exemplo, o tentilhão de cacto tem um bico longo e fino que lhe permite consumir o néctar das flores de cacto. Algumas espécies têm contas que são melhores para esmagar sementes, enquanto outras são melhores para consumir insetos ou plantas.

Faz sentido que diferentes espécies de tentilhões evoluíram para se alimentar de diferentes tipos de alimentos nas Galápagos, mas de onde veio a alimentação com sangue?

Evolução dos tentilhões

Os tentilhões vampiros são encontrados apenas em Wolf e Darwin, as duas ilhas mais ao norte do arquipélago e remotas até mesmo para os padrões de Galápagos. Ambas as ilhas são minúsculas, cada uma com menos de um quilômetro quadrado, e estão separadas das ilhas maiores por 160 quilômetros de oceano aberto. A água doce é extremamente rara e alguns alimentos podem desaparecer completamente durante a estação seca.

Em algum ponto do último meio milhão de anos – recente em termos evolutivos -, os tentilhões chegaram a Wolf e Darwin e começaram a coexistir com grandes aves marinhas que nidificam nas ilhas, como o atobá-de-pé-vermelho e o atobá-de-Nazca. Com o tempo, parece que os tentilhões provavelmente evoluíram para comer parasitas encontrados nas penas e na pele do peito. Era o “mutualismo” em ação: as aves se beneficiavam da remoção do parasita e os tentilhões se beneficiavam por terem uma alternativa à sua dieta habitual de néctar, sementes e insetos que podem desaparecer durante a estação seca.

No entanto, a remoção dos parasitas acabou levando a lesões cutâneas abertas no peito das aves, permitindo que os tentilhões consumissem sangue. Os tentilhões aprenderam até a furar a pele na base das penas jovens para acessar o sangue diretamente, não precisando mais dos parasitas dos insetos. Assim, os tentilhões aproveitaram um recurso alimentar alternativo e ganharam o apelido de “tentilhões vampiros”.

A seleção natural parece ter ajustado o bico do tentilhão vampiro para perfurar a pele e sugar sangue, já que os pássaros desenvolveram bicos particularmente longos e pontiagudos em comparação com as populações que não se alimentam de sangue em outras ilhas. E uma vez que um alimentador de sangue perfura a pele, ele ainda precisa de uma maneira de consumir e digerir o sangue. Quando os pesquisadores estudaram os micróbios encontrados nas vísceras desses tentilhões vampiros em busca de adaptações, encontraram um microbioma muito diferente de qualquer outra espécie de tentilhões de Darwin, provavelmente causado pela dieta do sangue.

Fonte: Phys.org