Anuncie

(21) 98462-3212

Animação mostra uma baleia azul se esquivando de centenas de navios

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Uma baleia azul no Chile teve uma semana difícil, ziguezagueando em um ritmo frenético enquanto se esquivava de navios em movimento em um golfo movimentado, como visto em uma nova e estonteante visualização da tentativa do animal gigante de se alimentar sem ser atingido por nenhum dos navios nas proximidades.

A animação faz parte de um novo estudo científico que detalha os perigos que o tráfego de navios representa para as baleias azuis (Balaenoptera musculus) em uma de suas principais áreas de alimentação no Pacífico Sul. Os pesquisadores descobriram que as baleias azuis podem encontrar até mil navios por dia durante os meses de verão, quando os animais migram para esta região do oceano para alimentar e cuidar de seus filhotes.

“Anteriormente, os únicos dados disponíveis sobre os riscos de colisões de baleias com navios no mar do norte da Patagônia vinham de relatos de ataques reais, que às vezes eram fatais para as baleias. Mas esses incidentes muitas vezes não são relatados às autoridades locais ou registrados em detalhes, portanto, não sabemos realmente o quão grave é esse problema”, disse o autor do estudo, Luis Bedriñana‐Romano, criador da visualização de dados e pesquisador e candidato a doutorado com a Universidade Austral do Chile (AUC) em Valdivia.

Nos últimos 16 anos, cientistas da AUC e do Centro da Baleia Azul do Chile coletaram dados de satélite de mais de 20 baleias azuis marcadas, rastreando suas rotas de migração e comportamento alimentar. No novo estudo científico, os pesquisadores analisaram dados de movimento de baleias juntamente com dados de tráfego de navios oceânicos.

Ao usar dados de movimento para construir modelos de computador preditivos, os pesquisadores descobriram que as baleias podem se esquivar de até 700 embarcações de aquicultura – navios usados ​​para transportar pessoal e suprimentos – e possivelmente centenas de outros tipos de navios, diariamente. Essas interações ocorreram entre as águas próximas a Puerto Montt e na Península de Taitao, no sul do Chile, onde as baleias azuis costumam se reunir para se alimentar.

Na animação, uma forma azul mostra a trajetória de uma única baleia azul no Golfo de Ancud, no Chile, entre 22 e 29 de março de 2019. As formas móveis que a baleia tenta evitar são embarcações da frota de aquicultura chilena.

“O que é importante aqui é mostrar um vislumbre da densidade de embarcações a que as baleias estão expostas”, destacou Bedriñana‐Romano em entrevista à revista científica “Live Science”. No entanto, os dados de rastreamento de muitos dos barcos da região não estavam disponíveis para os autores do estudo. A animação, portanto, mostra apenas navios em uma única frota, e o número real de barcos que as baleias evitam em um determinado dia é provavelmente maior.

“Sabemos que estamos subestimando o risco”, disse Bedriñana‐Romano. “No entanto, mais de 83% das embarcações analisadas pertenciam à frota de aquicultura, portanto sabemos que esta é a única indústria que molda o tráfego marítimo na área.”

Estratégias de conservação

Vista aérea de uma baleia azul no Arquipélago de Chonos, no Chile. Foto: Reprodução


Este novo mapa de áreas de alto risco para baleias ajudará as autoridades a desenvolver estratégias de conservação priorizando as regiões oceânicas mais frequentemente visitadas pelas baleias azuis. Desviar o tráfego de navios – especialmente navios de aquicultura – será uma etapa crítica para proteger esta espécie marinha ameaçada e salvaguardar seu habitat oceânico, relataram os autores do estudo.

“Agora, pelo menos sabemos por onde começar a procurar problemas, pois definimos os pontos críticos onde as interações podem ocorrer”, disse Bedriñana-Romano.

As descobertas foram publicadas online em 1º de fevereiro na revista “Scientific Reports“.