Anuncie

(21) 98462-3212

“Babados” nos dinossauros Protocerátopos atraíam parceiros

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Representação artística de um Protocerátopo com babado no crânio. Reprodução

Adoráveis dinossauros do tamanho de ovelhas provavelmente desenvolveram seus babados extravagantes no crânio para atrair parceiros ou mostrar seu domínio.

O Protocerátopo  (Protoceratops andrewsi, do latim “primeiro com chifre”) – um dinossauro que se parecia um pouco com um mini-tricerátopo sem chifres – tinha babados elaborados e variados no pescoço. Os paleontólogos têm debatido para que eram usados: defesa? regulação da temperatura? ou talvez, como pássaros modernos com penas de cauda coloridas, os dinossauros desenvolveram os babados para mostrar sua aptidão a parceiros e competidores em potencial, um processo de seleção sexual. Na seleção sexual, um animal com uma certa característica que atrai parceiros em potencial ou de outra forma permite que eles se reproduzam mais, será transmitido à próxima geração e se tornará mais comum.

É difícil provar a seleção sexual diretamente, porque é impossível saber se um dinossauro com um babado maior e mais brilhante realmente teve mais sucesso com o acasalamento e a produção de descendentes. Mas os pesquisadores do Museu de História Natural de Londres e da Queen Mary University de Londres buscaram pistas sobre o crescimento e a variação dos babados para ver se eles correspondiam aos padrões de características sexualmente selecionadas em animais vistos hoje.

Os pesquisadores juntaram fotografias de 65 crânios de espécies de Protocerátopos, usando software para criar modelos 3D dos crânios. Destes, 30 eram reconstruções digitais completas. Os crânios vieram de dinossauros com um dia de idade até a idade adulta completa, então os cientistas puderam comparar as taxas de crescimento dos babados com as de outras partes do crânio.



Os pesquisadores descobriram que a mudança evolutiva nos babados era bastante independente da mudança evolutiva no resto do crânio, um sinal de que a seleção sexual, em vez de alguma outra pressão evolutiva, pode estar em ação.

Os ornamentos também mostraram um padrão de crescimento chamado alometria, comum em características selecionadas sexualmente. Na alometria, uma determinada parte do corpo cresce mais rápido e maior do que outras partes do corpo do animal. Um exemplo moderno seria os chifres de um cervo.

Os babados também mostraram grande variação, outra marca registrada da seleção sexual. No entanto, eles não apresentaram dimorfismo sexual, ou grandes diferenças entre machos e fêmeas. Muitas características selecionadas sexualmente são dimórficas, mas nem todas, disse o co-autor do estudo científico Andrew Knapp, pesquisador de pós-doutorado do museu, em um comunicado.

“Embora existam alguns exemplos em animais vivos em que geralmente as fêmeas selecionam os machos com base no tamanho das penas da cauda ou chifres, é frequentemente esquecido que os machos também fazem a mesma coisa com as fêmeas”, explicou Knapp. “Em uma espécie de pássaro conhecida como auklet de crista (Aethia cristatella), tanto os machos quanto as fêmeas têm uma impressionante pluma de penas ondulando do topo de suas cabeças, usada por cada sexo para sinalizar sua saúde. Portanto, embora a pluma de penas seja uma característica sexualmente selecionada, não levou ao dimorfismo sexual. “

“Os babados de machos e de fêmeas podem ter sido diferentes de maneiras que não são preservadas no registro fóssil”, acrescentou Knapp. “Talvez os babados masculinos fossem mais coloridos, por exemplo. Expandindo a pesquisa 3D-digitalização para outros dinossauros com babados, isso poderia ajudar a consolidar a noção de que a seleção sexual explicou a evolução desses ornamentos, concluíram os pesquisadores no estudo publicado na última quarta-feira na revista científica “Proceedings da Royal Society B“.

Fonte: Live Science