Anuncie

(21) 98462-3212

Cálculos renais em gatos: dificuldade ao urinar, dor e apatia são sinais

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Muitos tutores demoram a perceber que o gato tem dificuldade ao urinar. Foto: Canvas

O gato vai até a caixa de areia e fica mais tempo do que o habitual, emite um gemido de dor e parece apático e sem apetite. Também pode lamber a região genital com frequência e ficar inquieto. Estes são sinais característicos de um felino com cálculos renais, ou litíases (“pedras nos rins”), que depositam-se na bexiga e na uretra.

No entanto, é comum que muitos tutores demorem a perceber esse problema – geralmente, os bichanos demorar a demonstrar quando sentem dor ou desconforto -, que é bastante frequente nos felinos, principalmente a partir dos cinco anos.

Um felino que tem cálculos renais tem dificuldade e incômodo ao urinar e elimina pouco líquido quando vai para a caixa de areia. Os cálculos são formados de cristais de fosfato e amoníaco-magnésio que se acumulam no rim. Apresentam tamanho mínimo (de um grão de areia), mas ao passar pelo trato urinário do animal podem obstruir a uretra, impedir a passagem da urina e causar dor.

Cuidados necessários

A ausência de urina (anúria) requer medidas urgentes. O veterinário introduzirá uma sonda no animal sob anestesia e tratará do estado de choque, da insuficiência renal e da infecção urinária eventualmente associadas. Essa afecção é mais frequente no macho, em razão, talvez, das diferenças anatômicas (uretra mais larga na fêmea).

Ela é inegavelmente de origem alimentar (excesso de magnésio, suprimento insuficiente de líquidos (ingestão insuficiente de água) associados à alimentação seca não balanceada, obesidade e etc.). Mas isso não explica tudo, e o espasmo obstrutivo produzido pelo micro cálculo tem, certamente, causa distinta.

Não deixe de dar a seu gato água fresca e pura e alimentos de boa qualidade (veja mais dicas de prevenção abaixo). A intervenção cirúrgica (anastomose da uretra na pele do períneo) é a única solução eficaz em caso de recidivas muito frequentes.

O fato de os tutores perceberem precocemente que o animal está doente e irem logo ao veterinário é fundamental para evitar problemas de saúde mais graves, como insuficiência renal ou ruptura perigosa da bexiga. “Os tutores de gatos tendem a confundir a dificuldade do felino em urinar com uma alteração no comportamento específico do animal ou até com prisão de ventre. E existe o risco de ele morrer, se não receber tratamento para os cálculos renais a tempo. É uma condição que pode piorar poucas semanas ou dias”, alerta o veterinário Ivan de Souza.

Mantenha a caixa de areia limpa. Foto: Canvas

Dicas para prevenir os cálculos renais em gatos

– Estimule a ingestão de água. Mantenha vasilhas com água sempre limpa e fresca à disposição e as coloque nos locais por onde o bichano costuma circular. Se possível, adquira uma vasilha tipo “fonte de água corrente” – eles adoram.

– Cuide da higiene diária da caixa de areia. Gatos se recusam a usar uma caixa suja, fazendo com que “segurem” a urina por mais tempo.

– Uma boa alimentação, com ração de qualidade é fundamental na prevenção dos cálculos urinários. Procure oferecer ao felino um alimento que atenda às suas necessidades nutricionais (gatos castrados com ração específica, por exemplo) e que priorize o balanceamento de minerais e o equilíbrio do pH da urina.

– Evite situações de estresse no animal.

– Incentive seu gato a se exercitar, gastar energia, se manter em movimento. Dê brinquedos, caixas de papelão, disponibilize um arranhador, faça-o correr atrás de bolinhas. Evite, assim, o sedentarismo e obesidade, que são fatores que contribuem para a formação de cálculos.

– Leve seu gato para realizar check-ups periódicos no veterinário (duas vezes ao ano) e detectar problemas e tratá-los a tempo.

*