Anuncie

(21) 98462-3212

Asteroide? Dinossauros já estavam em vias de extinção, diz novo estudo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
O asteroide que atingiu o México era tão forte quanto 10 bilhões de bombas atômicas. Ilustração: Pixabay

O evento de extinção de dinossauros que aconteceu cerca de 66 milhões de anos atrás foi estudado de muitos ângulos. Sabemos muito sobre os efeitos devastadores da enorme rocha alienígena que pode ter se originado da borda de nosso sistema solar. O asteroide que atingiu o México era tão forte quanto 10 bilhões de bombas atômicas. Os cientistas acreditam que o impacto desencadeou vulcões submarinos. Além disso, o corpo rochoso pode ter enviado enormes quantidades de enxofre para a atmosfera, o que levou o planeta a uma era do gelo muito extrema para os dinossauros. E tudo aconteceu por engano. Se o asteroide tivesse atingido uma região diferente da Terra, os dinossauros ainda poderiam estar vivos.

Mas um novo artigo científico indica que o impacto cataclísmico do asteroide ligado à extinção dos dinossauros pode ter sido uma conclusão precipitada. Um estudo da Nature Communications sugere que os dinossauros podem ter estado em declínio por cerca de 10 milhões de anos antes de o corpo rochoso atingir o México.

Os novos dados

Os pesquisadores analisaram 1.600 fósseis de dinossauros de 247 espécies. Eles estudaram a diversidade e as taxas de extinção de seis famílias de dinossauros.

“Observamos as seis famílias de dinossauros mais abundantes em todo o Cretáceo (período), abrangendo de 150 a 66 milhões de anos atrás, e descobrimos que todas elas estavam evoluindo e se expandindo e claramente tendo sucesso”, disse Fabien Condamine em um comunicado. O cientista, do Institut des Sciences de l’Evolution de Montpellier, na França, é o principal autor do estudo.

“Então, há 76 milhões de anos, eles mostraram uma queda repentina. Suas taxas de extinção aumentaram e, em alguns casos, a taxa de origem de novas espécies caiu.”

Os autores acreditam que o resfriamento do clima global durante o Cretáceo Superior pode ter contribuído para os dinossauros não-aviários. Os dinossauros aviários foram capazes de sobreviver ao impacto de um asteroide e se desenvolveram nas aves que povoam o planeta hoje.

Os cientistas acreditam que o resfriamento do clima e a perda de certas espécies de herbívoros contribuíram para a extinção dos dinossauros.

Debates sobre a extinção de dinossauros

Houve outras teorias no passado que tentaram explicar a extinção dos dinossauros. Cientistas mostraram recentemente que os vulcões não foram a principal causa do evento. Outras pesquisas ligaram firmemente a extinção dos dinossauros ao impacto do asteroide que formou a cratera de Chicxulub de 200 quilômetros – soterrada de baixo da Península do Iucatã, no México.

Reagindo ao novo estudo, os paleontólogos não afiliados à pesquisa lançaram suas dúvidas sobre os dados. Um disse que os dinossauros foram capazes de se adaptar a outras mudanças climáticas e sobreviver a elas. Outro acrescentou que o novo estudo pode ser tendencioso porque os autores se concentraram principalmente em fósseis de dinossauros encontrados na América do Norte.

Quer as novas descobertas sejam precisas ou não, os pesquisadores continuarão a procurar por mais pistas.

MB com BGR,com