Anuncie

(21) 98462-3212

Tubarão-águia ‘alado’ voou pelos oceanos 93 milhões de anos atrás

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Ilustração do tubarão-águia recém-descrito, que viveu em um antigo canal marítimo há 93 milhões de anos. Imagem: Reprodução/Oscar Sanisidro

Um tubarão bizarro com barbatanas em forma de asa e uma boca larga e escancarada voou pelos mares do que hoje é o México cerca de 93 milhões de anos atrás, quando os dinossauros ainda vagavam pela Terra, descobriu um novo estudo.

Este estranho tubarão – apelidado de Aquilolamna milarcae, ou tubarão-águia do Museu Milarca, onde seu fóssil será exibido – se parece muito com mantas (Mobula birostris) e raias diabo (Mobula tarapacana), que também ostentam “asas” com barbatanas. O tubarão-águia viveu mais de 30 milhões de anos antes de qualquer uma dessas criaturas existir, disseram os pesquisadores.

Essa não é a única semelhança: esse tubarão antigo provavelmente era um alimentador de filtro que engolia minúsculas criaturas parecidas com o plâncton quando estava com fome, assim como a manta e as raias diabo fazem hoje. “Portanto, é provável que o tubarão-águia vivesse no mesmo tipo de ambiente marinho que a moderna manta e as raias diabo vivem agora”, disse o pesquisador chefe do estudo Romain Vullo, paleontólogo de vertebrados do Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS) em Geosciences Rennes, na França.

Um pedreiro descobriu o espécime de tubarão-águia – uma placa de calcário que preservou a maior parte do esqueleto fossilizado do tubarão e marcas de seus tecidos moles – em Nuevo León, um estado no nordeste do México, em 2012. Quando este tubarão estava vivo, aquela parte do México foi coberta pelo Western Interior Seaway, um corpo de água que se estendia do Golfo do México até o Oceano Ártico.

O fóssil bem preservado do tubarão-águia, junto com os fósseis de uma Pseudaspidoceras pseudonodosoides e peixes ósseos, incluindo o peixe-agulha (Rhynchodercetis regio ). 
Foto: Reprodução/Wolfgang Stinnesbeck

Este tubarão alado é diferente de qualquer tubarão vivo hoje. “Uma das características mais marcantes do Aquilolamna é que ele tem nadadeiras peitorais [laterais] muito longas e delgadas”, explicou Vullo. “Isso torna o tubarão mais largo do que comprido”, com uma “envergadura” de cerca de 1,9 m e um comprimento total do corpo de cerca de 1,65 m.”

Outra característica interessante, segundo o paleontólogo, é que a cabeça do animal é curta, com focinho indistinto e boca larga. “As outras partes do Aquilolamna, como sua cauda e nadadeira caudal [cauda], são como [aquelas] em muitos tubarões modernos. Isso dá ao Aquilolamna uma aparência quimérica única”, comentou Vullo.

Tubarões, raias manta e outros peixes com esqueletos feitos de cartilagem fazem parte de um grupo denominado elasmobrânquios, que surgiu há cerca de 380 milhões de anos. Elasmobrânquios comedores de plâncton modernos têm duas formas corporais distintas – aqueles com corpos “tradicionais” de tubarão, como o tubarão-baleia (o maior peixe vivo do mundo), e aqueles com corpos achatados, incluindo a manta e as raias do diabo.

Este tubarão recém-analisado possui características de ambos os tipos de corpo. No entanto, não é uma espécie precursora de raias, mas sim um exemplo de evolução convergente, onde diferentes grupos desenvolveram independentemente as mesmas características. Os restos incomuns da espécie recém-descoberta revelam “uma experimentação evolucionária inesperada com o voo subaquático entre tubarões”, escreveram os pesquisadores no estudo, publicado na última quinta-feira na revista “Science”.

Rápido ou devagar?

O tubarão-águia não era um predador rápido e feroz como o grande tubarão branco de hoje (Carcharodon carcharias).

Aquilolamna era provavelmente um nadador relativamente lento, comparável a outros elasmobrânquios que se alimentam de suspensão, que nadam lentamente pela água, engolindo plâncton”, escreveram os pesquisadores no estudo. É provável que as longas e delgadas barbatanas peitorais do tubarão-águia tenham agido como estabilizadores, mas também podem ter ajudado a impulsionar o tubarão para frente com movimentos lentos de bater as asas. A espécie provavelmente dependia de seu corpo em forma de torpedo e forte nadadeira caudal, balançando de um lado para o outro, para empurrá-la para a frente através da água.

O fóssil do tubarão-águia não tem barbatanas pélvicas (localizadas na parte inferior dos tubarões, perto da cauda) ou uma barbatana dorsal – a barbatana triangular característica que se projeta ameaçadoramente para fora da água na maioria dos filmes de tubarão de Hollywood. Mas não está claro se o tubarão não tinha essas barbatanas quando estava vivo ou se elas simplesmente não fossilizaram.

“Além do mais, nenhum dos dentes do tubarão foi preservado, o que torna difícil saber que tipo de tubarão é”, disse Kenshu Shimada, professor de paleobiologia da Universidade DePaul em Chicago e pesquisador associado do Museu Sternberg em Kansas.

“A identificação de fósseis de tubarões geralmente depende das características dos dentes”, destacou Shimada. “Assim, os autores do novo estudo colocaram provisoriamente o novo fóssil de tubarão em um grupo chamado Lamniformes com base nas características vistas em suas vértebras e no esqueleto da cauda, ​​que são menos taxonomicamente diagnósticas.” Os tubarões lamniformes modernos incluem animais icônicos, como o tubarão-duende, tubarão-boca-grande, tubarão-elefante, tubarão-mako e grandes tubarões brancos, acrescentou Shimada.

“Esta é realmente uma descoberta notável, mas apenas a descoberta de espécimes adicionais e bem preservados, especialmente aqueles com dentes, pode esclarecer a verdadeira anatomia do tubarão, bem como se ele realmente era um alimentador de filtro”, disse Shimada.

Não está claro por que A. milarcae foi extinto, mas este tipo de tubarão que se alimenta de filtro provavelmente foi atingido por um asteroide de 10 quilômetros de largura que colidiu com a Terra no final do período Cretáceo, cerca de 65,5 milhões anos atrás. Esse evento de extinção em massa, que matou os dinossauros não-aviários, também calcificou “organismos planctônicos resultantes de uma acidificação extrema dos oceanos superficiais”, que dizimou o outrora abundante cardápio dos alimentadores de filtros, escreveram os pesquisadores no estudo.

Fonte: Live Science