Anuncie

(21) 98462-3212

Tubarões esquisitões: conheça algumas espécies de arrepiar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Só de ouvir a palavra tubarão você já sente arrepios? Possivelmente, porque a primeira imagem que vem à sua cabeça é a do icônico peixão assassino do clássico filme do diretor americano Steven Spilberg. Mas, pode ter certeza, o mundo desses animais marinhos cartilaginosos (em vez de ossos, eles possuem esqueleto composto por cartilagem) é bem mais amplo do que a espécie representada no cinema.

Pelos mares do planeta, há desde os tubarões aparentemente fofinhos – sim, podemos defini-los assim, acredite! – até espécies para lá de esquisitonas – com chifres, por exemplo.

Vamos conhecer alguns dos tubarões mais estranhos?

O Heterodontus francisci é uma espécie com chifres. Foto: Wikimedia Commons/Reprodução

Tubarão-chifre (Heterodontus francisci)

Os tubarões-chifre (Heterodontus francisci) são pequenos tubarões quietos e despretensiosos. Eles passam os dias se escondendo em fendas de rocha em águas com menos de 12 metros de profundidade. À noite, esses tubarões saem para caçar. Eles são nadadores desajeitados e, às vezes, até usam suas nadadeiras para rastejar ao longo da rocha em vez de nadar. Isso funciona bem para eles, pois comem principalmente moluscos e equinodermos, como ouriços-do-mar.

Além de sua capacidade de rastejar, os tubarões-chifre também são diferenciados por seus espinhos afiados, que se projetam de ambas as barbatanas dorsais. Esses espinhos ajudam a proteger os tubarões de predadores.

O tubarão de bolso é a versão em miniatura recém-descoberta.
Foto: Michael Doosey/Tulane University/Divulgação

Tubarão de bolso (Mollisquama mississippiensis)

Esqueça as figuras assustadores de filmes como ‘Sharknado’, pois com o tubarão de bolso (Mollisquama mississippiensis), a fofura tem vez! Pequenininha, essa espécie descoberta em 2010, no Golfo do México, cabe até na palma da mão. Os tubarões de bolso, na verdade, não ganharam esse nome por seu tamanho em miniatura, mas por um orifício em forma de bolso perto de sua barbatana peitoral. Como apenas alguns tubarões de bolso já foram capturados, os pesquisadores não sabem muito sobre sua biologia. Mas eles acreditam que o orifício de bolso pode ser usado para excretar um feromônio ou fluido bioluminescente.

Tubarão-baleia é a maior espécie de peixe vivo do mundo. Foto: Pixabay

Tubarão-baleia (Rhincodon typus)

Com até 10 m de comprimento, o tubarão-baleia (Rhincodon typus) é a maior espécie de peixe vivo do mundo e, de longe, o maior vertebrado não mamífero existente. O maior indivíduo registrado tinha um comprimento de 12,65 m e cerca de 21,5 toneladas. Grandão, hein? Mas não foi isso que o qualificou para um lugar nesta lista. Em vez disso, são os ‘dentes’ de… seus olhos!

Em 2020, pesquisadores japoneses descobriram que os olhos do tubarão-baleia são cercados por dentes minúsculos chamados dentículos dérmicos. Esses dentículos dérmicos revestem as bolsas protuberantes que seguram os globos oculares dos tubarões (eles não têm pálpebras). Os dentículos têm formato semelhante ao dos molares humanos e podem ajudar a proteger os olhos dos tubarões-baleia dos ataques de pequenas criaturas do oceano.

Oinc, oinc. Será esse um porco-tubarão ou um tubarão-porco? Foto: Reprodução

Tubarão-áspero-angular (Oxynotus centrina) ou ‘cara de porco’

Esses tubarões não apenas têm focinhos achatados como os de porco, como também grunhem (‘oinc’,’oinc’) como porcos quando são puxados da água. Por esse motivo, as pessoas que pescam no Mediterrâneo costumam chamá-los de “peixes-porco”.

A espécie é oficialmente chamada de tubarão-áspero angular (Oxynotus centrina). Esses tubarões de nariz achatado chegam a ter cerca de 1 m de comprimento, de acordo com a União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN), que lista os tubarões-áspero-angulares como uma espécie “vulnerável”. Essas criaturas são frequentemente apanhadas acidentalmente em redes de pesca, levando ao declínio da população.

Tubarão-duende

Com dentes pontiagudos e focinho longo, o tubarão-duente é de arrepiar.
Foto: Wikimedia Commons/Reprodução

Essa espécie é muito assustadora. O tubarão-duende (Mitsukurina owstoni) tem dentes pontiagudos e protuberantes, focinho longo e sua coloração rosa-púrpura parece estranhamente mamífera. Não é difícil ver como esses tubarões receberam seu nome comum.

A menos que você seja um crustáceo ou cefalópode, porém, os tubarões-duendes provavelmente não são uma ameaça – ufa! De acordo com o ‘The Australian Museum’, os tubarões-duendes são habitantes do fundo do mar, ficando perto do fundo do oceano a cerca 1.200 m de profundidade. As mandíbulas assustadoras se estendem para fora para agarrar suas presas. Seu focinho também é cravejado de poros chamados ampolas de Lorenzini, que podem detectar minúsculas cargas elétricas saindo de organismos vivos – uma maneira prática de caçar nas profundezas do oceano escuro.

Ah, vai, até que o tubarão-corta-carne é fofinho, não? Foto: Reprodução

Tubarão-corta-carne (Isistius brasiliensis)

O tubarão-corta-carne (Isistius brasiliensis), também conhecido pelos nomes de tubarão-luminoso, tubarão-charuto ou ‘cookiecutter’ (cortador de biscoitos), não é muito grande – ele cresce apenas cerca de 50 centímetros de comprimento – mas é muito, muito mordaz. Usando suas mandíbulas redondas e precisas, que permitem retirar pedaços de carne de suas presas, esses tubarões às vezes mordiscam pedaços de criaturas muito maiores do que eles, incluindo grandes tubarões-brancos. Na verdade, o seu nome popular ‘cortador de biscoitos’ muito se deve aos ferimentos redondos e profundos em suas presas.

Esses tubarões, que nadam em águas profundas dos mares subtropicais e tropicais, ocupam um lugar incomum na cadeia alimentar. A maior parte de sua dieta é composta de pequenos animais oceânicos que vivem no fundo do mar, que os tubarões podem engolir inteiros. Mas, à noite, eles às vezes viajam em direção à superfície do oceano para mastigar presas grandes como outros tubarões e orcas.

Parece um tapete, mas é o tubarão wobbegong. Foto: Wikimedia Commons/Reprodução

Tubarão wobbegong (Chlamydoselachus anguineus) ou tubarão-tapete

Parece até um tapete, só que não! Trata-se do tubarão wobbegong (Orectolobus maculatus), também conhecido como wobbie ou tubarão-tapete. Esses animais são camuflados com padrões laranja-avermelhados e também têm apêndices de bigodes distintos, daí acredita-se que seu nome vem do termo aborígene australiano para “barba desgrenhada”.

Orectolobidae é uma família de tubarões da ordem Orectolobiformes, constituida por oito espécies. Relativamente inofensivos, os wobbegongs estão espalhados em águas tropicais e temperadas pelo leste do oceano Índico e oeste do oceano Pacífico. O maior chega a ter mais de 3 m de comprimento.