Anuncie

(21) 98462-3212

Saiba alimentar o filhote saudavelmente

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Filhotes comem menos à medida que vão crescendo. Foto: Canvas

O crescimento é o estágio mais importante na vida de um animal. Em apenas 12 meses, um cachorro passa da infância para a fase em que se torna um jovem adulto. É nesse período que os tutores têm oportunidade de proporcionar a seu bicho uma vida inteira de saúde, começando pelos cuidados com a alimentação.

O desmame do filhote ocorre por volta dos 45 dias de vida, quando começam a aparecer os dentes de leite. O número de mamadas diminui, e o filhote mostra interesse em experimentar o que a mãe come. Nessa fase, é preciso alimentar o cãozinho três vezes ao dia: café da manhã, almoço e jantar. Existem atualmente no mercado rações específicas para o desmame e para as várias fases de crescimento do animal.

“Filhotes comem menos à medida que vão crescendo. O tutor deve reduzir o número de refeições gradativamente”, orienta a veterinária Márcia Pinho. A qualidade do alimento oferecido é essencial. “Qualquer deficiência na alimentação reflete rapidamente na aparência e saúde”, explica Márcia.

Os problemas mais frequentes são os alérgicos, que provocam queda de pelos, por carência de vitaminas e hipersensibilidade alimentar.

Comida caseira deve ter aval de um veterinário

O filhote deve aprender que a comida dele é a ração na tigela. “Ele jamais deve receber restos de comida das pessoas durante as refeições”, avisa Márcia. “Ele pode passar a recusar ração ou ter o mau hábito de de implorar por restos de comida”, observa.

Apesar da grande oferta de alimentos industrializados, muitos tutores preferem preparar a refeição do mascote ou misturar comida sólida à ração seca. “As desvantagens de trocar a ração por comida caseira é que isso acaba saindo mais caro, dá mais trabalho e é muito difícil produzir uma refeição balanceada”, enumera.

Frutas podem ser um complemento saudável à alimentação. Banana e maçã podem ser oferecidas como petiscos, por exemplo. Cenoura e beterraba, duas vezes por semana, também fazem bem.

As vasilhas não devem ficar muito cheias. Os restos fermentam e devem ser removidos. Foto: Pixabay

PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO

6 semanas a 6 meses: manhã-tarde-noite

6 meses a 1 ano: manhã-noite

Acima de 1 ano: manhã-noite ou somente uma vez ao dia (Dica: para o cão não ficar sonolento à noite, podemos dar 70% da alimentação de manhã e 30% no jantar. Já o cão de companhia, mais ativo durante o dia, pode comer menos de manhã e mais no jantar ou só jantar)

DIETA DO FILHOTE

GATOS. O hábito alimentar dos gatos é diferente da dos cães. Eles comem pequenas porções várias vezes ao dia. Deixe a tigelinha sempre com ração, mas em pouca quantidade.

LEITE. O leite de vaca, seja de caixinha (UHT) ou pasteurizado, quando consumido por cães e gatos, pode causar diarreia, vômito, flatulência, desconforto abdominal e cólicas. Nos filhotes, a intolerância é ainda pior, já que o alto teor de lactose presente no leite pode até causar alergias alimentares, pois os pets também podem ser intolerantes à lactose. Vale lembrar que o leite é importante apenas na fase inicial da vida do pet, quando eles ainda são filhotes. Mesmo assim, deve ser o leite da mãe ou o leite comercial substituto (à venda nas pet shops). Durante a fase adulta, o leite é totalmente dispensável. Isso inclui o de coco, soja, amêndoas e outras variações.

FERMENTAÇÃO. As vasilhas não devem ficar muito cheias. Restos de ração velha fermentam e devem ser removidos.

PROIBIDO. Restos de comida, doces e massas devem ser evitados. Isto ajudará na prevenção da obesidade.

BEBÊS. Utilize papinhas de desmame para filhotes ou rações próprias em forma de papa, três a quatro vezes ao dia, a partir dos 45 dias de vida.

NÃO DÊ RAÇÃO DE ADULTOS. Filhote que come ração para adultos tende à deficiência nutricional. Já a ração para filhotes pode ser dada a adultos de pequeno porte muito ativos, como poodle toy e o yorkshire. Mas engorda cães sedentários e de grande porte.

*