Anuncie

(21) 98462-3212

Bugios ressurgem no Rio após 200 anos

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Bugios foram reintroduzidos na Floresta da Tijuca, no Rio, e casal deu cria, para alegria dos biólogos e dos visitantes. Foto: Pixabay

Em pleno coração do Rio de Janeiro, está abrigada a maior floresta tropical urbana replantada do mundo, a Floresta da Tijuca. Em séculos passados, a área era tomada por plantações de cana de açúcar e de café. O reflorestamento começou em 1871, durou 13 anos e formou a grande floresta existente hoje no Maciço da Tijuca. Em 1961, o Maciço virou um Parque Nacional, no qual uma fatia relevante de espécies da fauna de vertebrados (peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos) e de invertebrados (platelmintos, moluscos, anelídeos e artrópodes) estão abrigadas. Mas, uma delas, já não se via por lá a nada menos que 220 anos, por conta do desmatamento e da caça: os macacos bugios (Alouatta guariba).

Isso mudou quando, em 2015, deu-se início o projeto Refauna, que passou a atuar na reintrodução de bugios no Parque Nacional da Tijuca. Trata-se de uma parceria entre universidades do Rio de Janeiro e várias outras instituições como o ICMBio, o Instituto Estadual do Ambiente do Rio de Janeiro, a Prefeitura do Rio e a Fiocruz.

Na ocasião, foram introduzidos quatro bugios ruivos (Alouatta guariba clamitans): Haunuman, Kala, Chico e Maia. Em 2016, outros dois foram levados à floresta, uma fêmea e um macho, Juvenal. Ele formou par com Kala e tiveram cria. Em 2017, outro bugio foi levado. Mas, devido ao processo de adaptação ter sido complicado, dois deles tiveram que ser retirados, um morreu e outro teve o monitoramento perdido.

Recentemente, o casal Juvenal e Kala teve quatro filhotes. Um grande motivo de comemoração para biólogos e visitantes da floresta e do Parque Nacional da Tijuca – que, no último dia 6 de julho, completou 60 anos de sua transformação em Unidade de Conservação Permanente.

“Comemoramos a reintrodução dos bugios com muita alegria, porque eles vão ajudar a regenerar essa floresta tão importante e simbólica. Uma cidade que tem uma floresta, isso significa muito. Eu considero até como um marco civilizatório. A Floresta da Tijuca é o coração do Rio de Janeiro. Se você olha de cima o mapa, vê que ela está bem no coração e é muito importante para tudo que ela nos traz de bom de equilíbrio ambiental, de serviços ambientais, de ar, água, estabilidade do solo, lazer e etc”, comenta o biólogo Celso Sanchez, professor da UniRio (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro).

Segundo o biólogo, os bugios vêm para ajudar a Floresta da Tijuca a enriquecer ambientalmente: “Eles são muito importantes para a manutenção da floresta e na dispersão das sementes, principalmente. Fora que é uma espécie de primata que nos faz ficar mais atentos aos sons da floresta. O bugio tem um som característico, um rugido, que é lindo de ouvir. Então é uma espécie que a gente saúda com muita alegria.”

Outras espécies retornaram

Outras espécies da fauna foram reintroduzidas na Floresta da Tijuca. Assim como os bugios, os jabutis (Chelonoidis denticulatus) também não eram mais vistos no local há dois séculos. Por lá, os jabutis se multiplicaram e hoje já são mais de 30.

Assim como os bugios, as cutioas sçao excelentes dispersoras de sementes. Foto: Pixabay

Já as cutias (Dasyprocta leporina) – que são excelentes dispersoras de sementes – estavam há 40 anos sumidas. Sua reintrodução foi entre os anos de 2010 e 2014, com 31 indivíduos, e foi tão bem sucedida, que, atualmente, circulam mais de 100 desses animais pela floresta.

“Fico muito feliz com esse projeto de reintrodução de animais, como o jabuti. É lindo vê-lo retornando ao seu lar, assim como o bugio. E eu me sinto feliz vendo minha geração, meus colegas como o professor Fernando Fernandes, que é um dos que coordenam um projeto importante de reintrodução de animais na floresta junto com a Alexandra, sua esposa, fazendo com que essas espécies nos tragam um olhar mais atento na nossa relação com a natureza, promovendo um despertar”, conta Celso Sanchez.

Símbolo de vida, resistência e esperança

A reintrodução dos macacos bugios vem sendo feita aos poucos, de forma lenta, visto que um dos fatores mais importantes é a adaptação da espécie ao ambiente. Mas, a reprodução na Floresta da Tijuca, é um indicativo de que os biólogos estão no direção certa.

Na visão do biólogo Celso Sanchez, o bugio é uma espécie que agrega com as pessoas uma identificação com a floresta. “Muitas pessoas irão lá para ver os bugios e, assim, pode ser que aprendam a respeitar mais a floresta, que nos ajuda a respirar melhor e, portanto, é fundamental aprendermos a respeitá-la. Acho que o bugio ajuda muito nesse processo de trazer uma conexão maior com a natureza. Em nosso processo de educação ambiental, de compreender que nós também somos responsáveis por cuidar, que temos compromisso ético com o futuro e a sobrevivência das espécies e com a proteção das florestas”, observa.

Para o biólogo Celso Sanchez, o bugio é um símbolo de vida, resistência e esperança. Foto: Pixabay

O biólogo considera o bugio um símbolo de vida, resistência e esperança. “Passando pela floresta, vi os bugios, os macacos-prego, os micos em uma área ambiental linda apesar de muitas placas e trilhas de sinalização precisarem de manutenção. Um abandono que mostra um pouco desse retrocesso ambiental na conservação daquele local. Saudamos a presença dos bugios e que eles venham a nos ajudar a ampliar a consciência ambiental e trazer esse sentimento de responsabilidade, de respeito às florestas como um todo e de amor à Floresta da Tijuca. Que essa cidade aprenda a preservar e a olhar mais a sua floresta, que é seu coração”, finaliza.  

Ficha técnica, curiosidades e hábitos do bugio

Ordem: Primates.

Família: Atelidae.

Nomes comuns: Bugio-ruivo, bugio, barbado, guariba.

Inglês: Southern Brown Howler Monkey, Southern Brown Howling Monkey.

Avaliação da espécie no Brasil: Vulnerável. Apesar de apresentar ampla distribuição na Mata Atlântica, do rio Doce (ES) ao rio Camaquã (RS) e a oeste até o norte da Argentina, uma das características da espécie é a vulnerabilidade ao vírus da febre amarela, motivo que levou ao declínio da população. A redução populacional decorrente de surtos da doença, aliada ao efeito do alto grau de fragmentação do habitat, contribuem para o declínio populacional. Além disso, muitas subpopulações sofrem impacto com a expansão urbana e de infraestrutura (acidentes na rede elétrica, atropelamentos, predação por cães, violência humana).

Primata pode chegar a 72 cm de comprimento. Foto: Pixabay

Hábitos: Ocupam as copas das árvores e sua dieta é predominantemente folívora-frugívora, atuando como um importante dispersor de sementes.

Características: Primata de médio porte, pode chegar a 72 cm. Sua pelagem consiste em tons de marrom e ruivo. Sua característica mais marcante é o som emitido pelos machos, que pode ser escutado a longas distâncias. O filhote emite sons curtos e prolongados, enquanto o dos jovens e das fêmeas são entrecortados e graves. São animais sociais, vivendo em grupos familiares, geralmente, de 3 a 15 indivíduos, mas podendo chegar a 40 indivíduos, sempre liderados por um macho.

Projeto Refauna

O Projeto Refauna é desenvolvido por uma equipe de professores, pesquisadores e estudantes do LECP (UFRJ), Laboratório de Estudo e Conservação de Florestas (LECF/UFRRJ) e Laboratório de Ecologia e Manejo de Animais Silvestres (LEMAS/IFRJ). O projeto atua em parceria com várias outras instituições como o ICMBio, o Instituto Estadual do Ambiente do Rio de Janeiro, a Prefeitura do Rio e a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

Saiba mais: facebook.com/refauna

*Com informações técnicas do ICMBio