Anuncie

(21) 98462-3212

Gato sem apetite. E agora?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
A apatia e a perda de peso são sinais da anorexia felina. Foto: Unsplash

O gato Thor, de 3 anos, sempre teve bastante apetite e, além de sua ração, nunca dispensou um petisco extra ou uma lasquinha da refeição de sua tutora, a advogada Ana Ariela de Souza. Mas, há cerca de dois meses, pouco depois de se mudar da capital carioca para a Região dos Lagos, ela notou que o bichano começou a comer e beber menos água. “Até que um dia, ele ele não ingeria mais nada. Dos quase cinco quilos que ele pesava, o Thor teve seu peso reduzido para 1,5 Kg. Foi desesperador vê-lo naquele estado e definhar tão rápido, até não resistir”, lembra.

A rejeição à comida e a perda do peso podem ser sinal de uma doença comum nos humanos, mas impensável para animais: a anorexia – perda total ou parcial do apetite. Para um gato, ficar sem comer por mais de um dia pode até levá-lo à morte.

A veterinária Alessandra Borges de Carvalho explica que a anorexia felina pode ter origem psicológica ou orgânica. “Mudança de ambiente e visitas de humanos são situações que podem afetar psicologicamente os felinos. O gato pode se sentir desconfortável também quando é pressionado. É o caso, por exemplo, de quando o tutor não respeita sua individualidade”, comenta.

O problema, no entanto, também pode ser mais simples, como nos casos em que o gato não gosta do sabor, da textura ou do cheiro da ração usada pelo tutor. O importante, ressalta a especialista, é que o tutor fique muito atento ao comportamento alimentar do seu animal. “Isso porque, quanto antes detectada a doença, maiores são as chances de o animal sobreviver”, diz.

Tratamento para os bichanos

Nos casos de anorexia crônica, o tratamento é parenteral (por via venosa) ou por sonda gástrica (nutrição com soros, vitaminas e outros fortificantes). Mas também existem alimentos específicos para gatos anoréxicos, tanto com consistência seca como de consistência úmida, que são os enlatados.

“O tutor pode tentar estimular o animal a se alimentar, mas nunca forçá-lo. Ele deve umedecer a ração com água quente, deixando-a de molho por 10 minutos para a gordura exalar e atrair o gato pelo odor. Como último recurso, o tutor pode jogar caldo de carne natural (só cozinha a carne, sem tempero) sobre o alimento. Mas sempre evite fazer essas coisas na frente do animal, para que ele não pegue isso como vício”, orienta.

Fique atento

CÃES. Raças caninas também podem apresentar anorexia, principalmente as de pequeno porte, porque são os mais vulneráveis.

PESO. O peso ideal de um gato adulto varia de acordo com a raça. Raças de porte médio, como o persa e o siamês, podem pesar de 3 kg a 5 kg. Passando disso, são considerados animais com sobrepeso, com exceção das raças de porte gigante, como maine coon, que pode chegar a 13 kg.

ESPÉCIES. Qualquer animal pode ter anorexia, mas a doença é mais comum nos gatos.

ALIMENTAÇÃO. O ideal é oferecer ao gato pequenas quantidades de alimento várias vezes ao dia. A porção maior deverá ser oferecida à noite, porque os felinos têm atividade metabólica mais ativa à noite. Gatos bebem pouca água, mas esta deve estar sempre disponível e fresca.