Anuncie

(21) 98462-3212

Jabuti, um quelônio camarada

Esse é o Jabuti-tinga (Chelonoidis denticulata) ou jabuti-de-pata-amarela .
Foto: Pixabay

Eles têm casco, movimentam-se lentamente e são da mesma família. Mas as coincidências entre o jabuti e sua parente, a tartaruga, acabam por aí. Para começar, o jabuti vive na terra. Na natureza são encontrados, geralmente, em campos abertos e pequenos bosques. A tartaruga, também conhecida como tigre d’água, é de hábitos aquáticos e tem como habitat lagos e rios de água lenta.

Os jabutis, assim como as tartarugas, fazem parte da família dos quelônios – répteis que possuem carapaça -, na qual estão incluídas mais de 100 diferentes espécies.

No mundo, os jabutis dividem-se em 36 espécies, distribuídas pela África, Ásia, América do Sul e do Norte. Mas apenas uma minoria deles vive no Brasil. Um é o jabuti-piranga (Chelonoidis carbonaria), também chamado jabuti-de-pata-vermelha, por possuir escamas vermelhas nas patas e cabeça. Ele tem cerca de 40 cm de comprimento e é encontrado nas florestas e locais com vegetação menos densa. O outro é o Jabuti-tinga (Chelonoidis denticulata) ou jabuti-de-pata-amarela, que tem aproximadamente 50 centímetros de comprimento e possui escamas alaranjadas nas patas e na cabeça. Esse é natural da Amazônia.

Amigo casco duro, manso e dócil

Devagar e sempre, o jabuti tem um jeitinho todo especial. Dócil, ele aceita ser afagado, mas mostra-se assustado diante de movimentos bruscos ou da aproximação de algo que ele julgue ser perigoso. Quando quer esconder a cabeça, ele a coloca de lado sob o casco.

“Cuidar de um jabuti, à princípio parece simples, porém, precisa de alguns cuidados para que o mesmo tenha uma vida plena e saudável. É importante acomodá-lo corretamente proporcionando o máximo de conforto para o mesmo”, comenta o veterinário André Mello, da Clínica Veterinária Estética Canina Vet Center e responsável pela seção Fale com o Vet no portal Meus Bichos.

O jabuti deve ser criado em chão de terra, areia ou grama. Foto: Pexel

O jabuti gosta de andar, mas jamais o crie em local de piso liso ou de cimento: machuca a parte inferior do casco e entorta as patas. O chão deve ser de terra, areia ou grama. Portanto, ele pode ser criado em um quintal ou em um grande terrário.

“Se o animal for filhote ainda, procure fazer um pequeno recinto, onde o mesmo tenha um substrato limpo (terra, areia, cascalho de madeira etc.). Não precisa ser em todo o terrário. Pode ter uma toca, ou um local para se abrigar, pois ele gosta muito de ficar bem reservado, podendo utilizar como abrigo, por exemplo, vasos de fibra de coco. E não coloque objetos no terrário que o jabuti possa comer, como brinquedos, plantas artificiais, porque eles acabam ingerindo um corpo estranho e pode dar problemas, até morte se ele engolir uma bolinha de plástico, por exemplo”, orienta André.

São animais que não precisam de vacinação, basta um bom manejo. Mas é necessária a vermifugação periódica, duas a três vezes ao ano.

Quanto à alimentação, os jabutis, ao contrário do que muitos pensam, precisam de uma dieta de qualidade e variada. “Não devemos oferecer restos de comida. Isso é um erro grave. São animais onívoros, ou seja, comem uma diversidade de alimentos, como por exemplo, vegetais. Também deve-se dar poucas folhas de alface, de preferência evitar, por serem pobres em nutrientes e ricas em água, podendo ainda levar a um aumento no volume de fezes, por ser mais laxativo. Pode dar um pouco de alface se fizer um mix com outros vegetais. O melhor é oferecer folhas verdes-escuras (couve, chicória, agrião, espinafre etc.), frutas, legumes, ovos e pouca proteína”, diz o especialista. “Nas pet shops, também há boas rações específicas para jabutis, que servem como complemento da dieta.”

De acordo com André Mello, é muito importante que o animal pegue sol. “É fundamental para a saúde do animal, para sintetizar vitamina D”, diz. Também é necessário ter muito cuidado com predadores, principalmente os ratos. Portanto, se o bichinho for criado em um quintal, fique atento à limpeza do ambiente e à presença de roedores. “Filhotes, por exemplo, são presas fáceis de predadores como gaviões e ratos. Os acidentes mais comuns em clínicas são com filhotes atacados por ratos.”

A dieta do jabuti deve ser variada, com frutas, legumes e vegetais. Foto: Pixabay

Após as refeições, a vasilha com restos de comida deve ser retirada para evitar decomposição. Mantenha água fresca à disposição. “Disponibilize alimentos para o jabuti todos os dias, sendo que nem sempre ele vai comer diariamente, isso dependerá da temperatura ambiente. Em dias mais frios, eles comem menos, ficam mais reservados e, nos dias quentes, ficam mais ativos, logo comem mais.”

Macho e fêmea: como identificar

A identificação sexual dos jabutis é visivelmente notada quando adultos. “É pelo plastrão, ou seja, verificando a parte de baixo do casco, que possui esse nome. As fêmeas possuem um plastrão reto e a genitália mais encurtada. Nos machos, o plastrão é côncavo, de aspecto afundado e a genitália mais alongada. Vale lembrar que nos filhotes o plastrão sempre é reto. Com o passar do tempo, nos machos vai modificando, logo fica mais difícil de o leigo verificar, então a ajuda de um profissional especializado será fundamental caso queira identificar o sexo precocemente”, explica o veterinário André Mello.

Aquisição sob controle do Ibama

O jabuti e a tartaruga são os quelônios mais criados como pets. Mas, atenção: a aquisição é permitida, desde que os animais sejam oriundos de criatórios comerciais ou lojas com registro do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente). “Infelizmente, essas espécies são grandes vítimas do tráfico animal, sendo muito comercializados clandestinamente em feiras livres. Jamais adquira um bicho dessa forma”, adverte o veterinário.

Jabuti e jabota acasalando: a maturidade sexual ocorre por volta dos 4 anos.
Foto: Pexels

Jabuti x tartaruga: não confunda!

Observando um jabuti e uma tartaruga juntos, é possível notas outras grandes diferenças na aparência. Na cabeça e nas patas dianteiras, o jabuti possui placas avermelhadas, as patas têm a forma da pata de um elefante e o casco (ou carapaça) tem forma acentuadamente côncava (como no formato de uma mão fechada). Já a tartaruguinha, além de ter o corpo na cor esverdeada e possuir listras na face, tem o casco mais retilíneo. Há ainda os cágados, que são animais semi-aquáticos (metade água, metade terra).

MAIS DICAS:

Carapaça sensível à dor. Apesar do casco (ou carapaça) duro, ele é formado por tecido vivo, portanto, é sensível à dor, podendo furar ou rachar em algum acidente.

Local de criação. Lembre-se o jabuti deve andar em local com terra, areia ou grama. NUNCA em chão liso ou de cimento. Pode ser criado livre no quintal ou em terrário, que pode ser montado com um cercado. Proporcione um solo com substrato (terra, areia, cascalho de madeira etc.), abrigos e tocas (pode usar vaso de cerâmica ou de fibras de coco, por exemplo), vasilhas de água e de comida e áreas de sombra. O jabuti gosta de se refrescar na água e se tiver um laguinho, tanque ou até mesmo uma bacia rasa por perto, chega a nadar.

Alimentação. Para o cardápio diário, dê preferência às folhas verdes-escuras (agrião, brócolis, acelga, chicória, couve, espinafre). Frutas e legumes (sirva em pedaços, na maior variedade possível), ovo cru ou cozido (um por jabuti), minhocas e caramujos. Rações para répteis também servem como complemento. Àgua à vontade.

Frio. Quando o tempo estiver frio, a recomendação é acomodar o jabuti em um local protegido. O seu metabolismo diminui quando a temperatura desce abaixo de 15 graus. Seus movimentos tornam-se lentos e ele perde o apetite.

Fêmea do jabuti e reprodução. Chama-se jabota. A maturidade sexual ocorre por volta dos 4 anos, quando se consegue identificar os machos pela sua cavidade já visível (plastrão). A reprodução acontece principalmente na primavera e verão e as fêmeas botam de cinco a dez ovos, cerca de dois meses após o acasalamento. Os ovos costumam ser enterrados. Uma vez localizados, não deve-se mudá-los de posição.

Check-up anual. Assim como cães, gatos e outros pets, também é preciso levar o jabuti a um veterinário especializado, para um check-up. “São animais como quaisquer outros, fazem exame de sangue, raio-X, tomam soro, fazem endoscopia, cirurgia quando necessário”, observa André.

Agradecimento:
Dr. André Mello – Clínica Veterinária Estética Canina Vet Center