Anuncie

(21) 98462-3212

O instinto caçador dos felinos

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Para os felinos domésticos, atacar invasores é um divertido exercício. Foto: Pixabay

Se o seu gato chegar em casa com um camundongo, uma lagartixa, um passarinho ou… ergh, uma barata, não se espante: ele é um caçador. Hábito típico da natureza de todos os felinos, até mesmo os gatos domésticos caçam, mesmo se bem alimentados pelo tutor. As presas costumam ser pequenos roedores, aves e insetos, como lagartixas.

Desde pequenos, os gatinhos já brincam como caçadores. São atraídos por objetos e tudo o que se mexe diante deles. Uma simples bolinha de papel amassado ou brinquedos como bolinhas, penas e bichinhos de pano recheados com catnip (uma erva com essência atrativa ao olfato dos gatos) são vítimas ideais.

“Para os felinos selvagens, caçar é uma questão de sobrevivência, mas para os gatos domésticos, é um divertido exercício”, explica a veterinária Márcia Couto.

Raramente os bichanos criados em casa alimentam-se de sua presa. Ao capturá-la, o gato pode fazer dela parte de uma brincadeira ou de uma espécie de jogo, no qual o bichano testa suas habilidades de caçador. E é para o tutor que eles gostam de se exibir.

“Eles gostam de presentear o tutor com o bicho que acabaram de pegar e deixam para torturar a presa na frente dele, achando que estão agradando com o presente inusitado”, conta a veterinária.

E que presente inusitado, como lembra a terapeuta ocupacional Simone Amato: “Foi um susto enorme quando o Ragnar, meu gato de 3 anos, apareceu com um pássaro quase morto na sala de casa. Ele já tinha depenado o bichinho, e deixou pra finalizá-lo com um golpe mortal bem na nossa frente, na hora do café da manhã. E não é por falta de comida boa, porque compro a melhor ração para ele!”

Gatos de apartamento devem ter o instinto de caçador estimulado com brincadeiras.
Foto: Pexels

Gatos de apartamento

Gatos de apartamento, que não tem como praticar o exercício da caça, podem e devem ter esse comportamento instintivo estimulado. “Invente brincadeiras interessantes que possam desenvolver, mesmo dentro do apartamento, esse instinto. Com isso, o gato estará sempre feliz e disposto a não deixar uma barata sequer invadir o lar de seu querido tutor”, brinca a veterinária.