Anuncie

(21) 98462-3212

As focas mais raras do mundo têm uma caverna secreta de reprodução em Chipre

Uma foca-monge do Mediterrâneo e seu filhote capturados em uma armadilha fotográfica em um dos criadouros recém-descobertos em 2017. Imagem: Projeto SPOT/Monk Seal

As focas mais raras do mundo foram filmadas em cavernas secretas de reprodução no norte de Chipre – ilha localizada ao sul da Turquia e ao leste da Grécia a terceira mais populosa do Mediterrâneo. Os novos criadouros fornecem esperança para uma espécie em dificuldade, mas as cavernas agora precisam de proteção.

As focas-monge do Mediterrâneo (Monachus monachus) são as mais ameaçadas de todas as espécies de pinípedes – um grupo que inclui focas, leões marinhos, lontras marinhas e morsas – com apenas 700 indivíduos na natureza, de acordo com a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional Para Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN). Um grande número dessas focas vive em Chipre e arredores.

Devido às pressões humanas, como captura acidental e turismo, as focas-monge foram forçadas a criar seus filhotes dentro de sistemas de cavernas, ao invés de suas praias abertas habituais na ilha. Um novo estudo usando armadilhas fotográficas, realizado por pesquisadores da Universidade de Exeter no Reino Unido e da Sociedade para a Proteção de Tartarugas (SPOT) em Chipre, revelou várias cavernas de reprodução até então desconhecidas no norte de Chipre, as primeiras a serem encontradas ao longo a costa norte da ilha.

“O estudo encontrou reprodução regular, identificou locais importantes e mostrou que algumas focas estão usando o local ano após ano”, disse a autora principal Damla Beton, bióloga marinha do SPOT, em um vídeo sobre o estudo. “É muito importante garantir que esses refúgios sejam protegidos.”

Forçados a entrar em cavernas

Durante séculos, os pescadores do Mediterrâneo mataram focas-monge por uma série de razões: as focas danificam seus equipamentos de pesca; eles competem pela mesma presa de peixe; e a pele de foca pode ser vendida no mercado negro por seus benefícios não comprovados para a saúde. Mais recentemente, os pescadores capturaram as focas para o comércio no entretenimento humano, para servirem como atrações em parques aquáticos; enquanto isso, os pinípedes perderam habitat para a indústria do turismo, de acordo com a Seal Conservation Society no Reino Unido.

Uma foca-monge descansando em uma das cavernas monitoradas. Imagem: Damla Beton

Historicamente, as focas-monge teriam usado as praias como lugares para descansar e criar seus filhotes como todas as outras espécies de focas. No entanto, por causa da caça histórica e da falta de praias intocadas, esses animais foram forçados a começar a usar locais alternativos.
“Eles precisam de cavernas para se reproduzir e criar seus filhotes fora da vista dos humanos”, disse Beton.

Embora as cavernas mantenham as focas-monge e seus filhotes seguros, apenas um pequeno número de cavernas monitoradas é adequado para filhotes, de acordo com os pesquisadores.

Em 2007, uma pesquisa encontrou 39 cavernas de reprodução na costa sul de Chipre (embora várias tenham sido destruídas desde então), de acordo com os pesquisadores. No entanto, apesar de serem vistas com frequência no norte da ilha, não havia evidências de que as focas estivessem se reproduzindo ali.

“Há muito se sabe que elas usam as costas do norte de Chipre, mas em 2013 observamos um filhote em Alagadi [no norte de Chipre], o que confirmou sua reprodução”, contou Beton no vídeo. “Em 2016, iniciamos os primeiros levantamentos de reprodução usando armadilhas fotográficas colocadas em cavernas.”

A pesquisa continuou até 2019 e revelou que, das oito cavernas monitoradas, as focas usavam três para reprodução. Em uma das cavernas, uma única foca também conseguiu criar filhotes por três anos consecutivos, sugerindo que essas cavernas são criadouros de alta qualidade e podem desempenhar um papel importante na manutenção do número de populações.

Protegendo as focas-monge restantes

A descoberta de novos criadouros de focas-monge é uma boa notícia para os conservacionistas, mas eles dizem que agora é importante proteger esses locais para o futuro.

“Esta área do litoral está se desenvolvendo rapidamente, especialmente para a construção de hotéis”, destacou Robin Snape, biólogo ambiental da Universidade de Exeter, em um comunicado . “O principal criadouro que identificamos neste estudo atualmente não tem status de proteção, e estamos trabalhando com as autoridades locais para tentar mudar isso”.

No entanto, perder seus locais de reprodução não é o único desafio que as focas-monge enfrentam. “Outra grande ameaça às focas-monge nesta área é a captura acidental”, disse Beton no comunicado. Isso significa que esses animais são acidentalmente pegos nas redes de um pescador, o que geralmente os faz se afogarem antes de serem libertados.

“Precisamos trabalhar com os pescadores para garantir fontes de alimento para as focas-monge e prevenir a captura acidental, especialmente ao redor dessas cavernas”, comentou Beton no vídeo.

O estudo foi publicado online no “Oryx – International Journal of Conservation”.

Fonte: Oryx – International Journal of Conservation