Anuncie

(21) 98462-3212

Brasil avança em apreensões de animais traficados na aviação civil

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Sete em cada dez apreensões vinculadas ao Brasil tiveram origem no próprio país. Foto: Fotos Públicas/Ibama

O biólogo russo Kyrill Kravchenko é apontado por autoridades brasileiras como um traficante internacional de vida selvagem para a biopirataria (uso em pesquisas). É monitorado desde 2017. Em meados de janeiro deste ano, tentava embarcar para a Rússia no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, com mais de cem lagartos, aranhas e sapos na bagagem de mão. Os animais teriam sido capturados nas regiões Sudeste e Sul.

Já em junho, um homem identificado como “russo”, com outro lote de animais, foi apanhado na BR-116, em Seropédica (RJ). Agentes rodoviários não confirmaram se era Kravchenko, dado que não portava passaporte, mas informaram que o criminoso tivera o documento retido no início do ano.

Semana passada, no dia 15, Kyrill Kravchenko foi preso em uma ação conjunta entre Ibama, Polícia Rodoviária Federal e Interpol. A atuação repetitiva de bandidos estrangeiros e nativos faz do Brasil um dos líderes em apreensões de animais no transporte aéreo na América Latina e no Caribe. México e Colômbia compartilham esse pódio. Confiscos no setor representam mais de um quinto (22%) dos flagrantes ligados ao tráfico de fauna regional.

No Caribe e na América Latina, houve 281 apreensões no transporte aéreo entre 2010 e 2020. Os criminosos usaram terminais em 84 cidades, tentando alcançar 53 países no período. “Traficantes movem bens ilícitos explorando agentes corruptos, baixa capacidade de fiscalização e outras fraquezas dos sistemas de transporte. O tráfico de animais selvagens no trânsito aéreo global está vinculado a mais de 150 países”, alerta Henry Peyronnin, do Centro de Estudos Avançados em Defesa (C4ADS, sigla em Inglês).

A C4ADS, baseada em Washington (Estados Unidos), maneja dados públicos da aviação civil global e contribuiu com o primeiro relatório da Agência Norte-Americana para o Desenvolvimento Internacional (USAID) sobre rotas e métodos de ilícitos contra a fauna na América Latina e Caribe. O estudo é parte do programa Routes (Reduzindo Oportunidades para o Transporte Ilegal de Espécies Ameaçadas de Extinção, em inglês), uma parceria entre órgãos de governo, empresas de logística e de transporte e ONGs ambientalistas como a Traffic e a WWF.

65 espécies são alvo do tráfico na região

A demanda por animais traficados nos 33 países latino-americanos e caribenhos é a segunda maior entre as regiões monitoradas pelo C4ADS, logo atrás da Ásia. Os aeroportos de Manaus (AM) e São Paulo (SP), no Brasil, e da Cidade do México e Tijuana, no México, acumulam 38% (107) das apreensões na região. O terminal na colombiana Leticia, na fronteira com Brasil e Peru, acumula um terço dos confiscos no país vizinho, parte das rotas mundiais do tráfico de espécies desde a Amazônia.

A compra de mascotes exóticos infla os números dos delitos contra a fauna, enquanto o mercado doméstico brasileiro absorve a grande maioria dos animais nativos traficados. Sete em cada dez apreensões vinculadas ao Brasil tiveram origem no próprio país. As demais cargas rumavam à União Europeia e ao resto do continente americano.

“Faz sentido sermos uma grande fonte de tráfico. Somos um país megadiverso com fronteiras enormes sob baixa vigilância”, destaca Juliana Ferreira, diretora-executiva da Freeland Brasil, organização de combate ao comércio ilegal de animais silvestres. “Também há problemas graves quanto à rastreabilidade entre espécies ilegais e criadas em cativeiro, o que permite a ‘lavagem’ de animais traficados rumo aos mercados nacional e estrangeiro”, completou.

Segundo o relatório da USAID, 65 espécies foram registradas nas apreensões entre 2010 e 2020 na América Latina e no Caribe. O estudo igualmente aponta que bichos vivos viajam quase sempre na bagagem de mão, enquanto barbatanas de tubarões, bexigas de totoaba (peixe mexicano), peles e presas de onças e outras partes de animais são comumente despachadas.

Peixes e répteis resistem mais a longos voos em pequenos espaços. Todavia, as aves são as mais traficadas desde a América Latina e a Caribe, sobretudo para Brasil, Holanda, Alemanha e Estados Unidos. Em Nova York e outras cidades, pássaros vendidos ilegalmente são usados até em rinhas. Alguns dos peixes mais procurados pelos bandidos são o peixe-zebra e o pirarucu. Exclusivo da Amazônia brasileira, o “zebrinha” viu seu valor disparar desde que a hidrelétrica de Belo Monte mudou o fluxo do Rio Xingu, no Pará, e aumentou o risco de sua extinção na natureza. Já o pirarucu, também amazônico, é buscado por sua carne, pele e escamas.

Transporte de animais vivos pode trazer riscos `saúde humana

O tráfico ameaça a sobrevivência de inúmeras espécies globalmente. Só a América Latina e o Caribe abrigam quatro em cada dez espécies conhecidas no planeta, mas suas populações de animais nativos caíram em média 94% desde os anos 1970, aponta o relatório Planeta Vivo 2020, da WWF. Desmatamento, caça e outras pressões pesam nessa conta.

Crimes ambientais ameaçam igualmente a saúde pública. Em tempos de pandemia, preocupa o balanço publicado no relatório da USAID de que 40% dos confiscos aeroportuários regionais foram de espécimes vivos que podiam transmitir doenças às pessoas. Investigações internacionais não descartam que a covid-19 tenha origem em animais selvagens. Justamente tentando reduzir o tráfico e as chances de novas pandemias, um relatório da Proteção Mundial Animal lançado em maio listou inúmeras brechas legais e de fiscalização nos países do G20 (maiores economias globais) que pintam um amplo “quadro de permissividade à exploração da vida silvestre”.

“Embora o foco mundial permaneça na implantação da vacinação, a prevenção de vírus não pode ser ignorada, pois estima-se que mais de 320 mil vírus de mamíferos estão na iminência de serem descobertos. Não podemos mais ignorar os perigos do comércio de vida silvestre”, destaca Helena Pavese, diretora-executiva da entidade. Reduzir a demanda de compradores, construir e manter bases de dados integradas entre países e suas regiões, ampliar a colaboração com empresas de transporte aéreo, capacitar e ampliar os quadros de agentes em aduanas e aeroportos engrossam a lista de recomendações para enfrentamento do tráfico.

“Algumas medidas podem não ser implantadas simplesmente porque o comércio ilegal de animais selvagens não é historicamente priorizado como um problema. Esperamos que nosso relatório forneça provas e amplie a relevância global do tema”, ressalta Henry Peyronnin, do C4ADS. Responsáveis pela investigação e fiscalização sobre o tráfico de espécies no transporte aéreo nacional, a Polícia Federal e o Ibama ignoraram os pedidos de entrevista à Mongabay até o fechamento desta reportagem.

Fonte: Mongabay/UOL