Anuncie

(21) 98462-3212

Cientistas alertam para o risco de extinção do peixe-serra devido à pesca excessiva

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
O peixe-serra pode crescer até 7,6 m de comprimento. Foto: Unsplash

O exótico peixe-serra está desaparecendo rapidamente dos oceanos do mundo e está em risco de extinção, alertaram cientistas marinhos.

Um novo estudo científico alarmante examinando registros de peixes-serra descobriu que essas raias semelhantes a tubarões se perderam em metade das águas costeiras do mundo e estão em vias de ser exterminadas, principalmente devido à pesca excessiva .

Uma equipe de pesquisadores da Simon Fraser University (SFU) em British Columbia, Canadá, disse que os animais já foram encontrados ao longo da costa de 90 países. Mas, agora, eles estão entre a família de peixes marinhos mais ameaçada do mundo e são considerados extintos em 46 dessas nações.

Há 18 países onde pelo menos uma espécie de peixe-serra está faltando e mais 28 onde duas espécies desapareceram.

Há cinco espécies de peixes-serra no total e três delas estão agora criticamente ameaçadas, enquanto as outras duas estão listadas como ameaçadas, de acordo com a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês).

As espécies recebem o nome de seus narizes longos e estreitos incomuns, chamados rostra, que são unidos por uma coroa externa de dentes, lembrando a lâmina de uma serra.

Barbatanas valiosas

Os peixes estão entre os maiores do oceano, com algumas espécies atingindo comprimentos de cerca de 7,6 metros. Eles usam sua serra para detectar e monitorar os movimentos de presas menores medindo os campos elétricos que emitem, antes de atacar usando a serra para lacerar as vítimas ou prendê-las no fundo do mar, antes de comê-las.

No entanto, os dentes de sua rostra são facilmente apanhados nas redes de pesca. As barbatanas de peixe-serra estão entre as mais valiosas no comércio global de barbatanas de tubarão e a rostra também é vendida como novidade, medicamento e como esporas para briga de galos.

A presença atual de todos os peixes-serra em todo o mundo é desconhecida, mas o pesquisador da SFU Nick Dulvy adverte que a extinção completa é possível se nada for feito para conter a sobrepesca e proteger habitats ameaçados, como manguezais, onde os peixes-serra podem prosperar.
“Por meio da situação difícil do peixe-serra, estamos documentando os primeiros casos de peixes marinhos de grande porte que foram levados à extinção local por excesso de pesca”, disse.

“Já sabemos há algum tempo que a expansão dramática da pesca é a principal ameaça à biodiversidade do oceano, mas uma avaliação populacional robusta é difícil para peixes de baixa prioridade cujas capturas têm sido mal monitoradas ao longo do tempo.”

O pesquisador acrescentou: “Com este estudo, enfrentamos um desafio fundamental para rastrear a mudança da biodiversidade: discernir o declínio populacional severo da extinção local.”

O estudo recomenda que os esforços internacionais de conservação se concentrem em oito países: Cuba, Tanzânia, Colômbia, Madagascar, Panamá, Brasil, México e Sri Lanka.

É aqui que os pesquisadores sugerem que esforços de conservação e proteções de pesca adequadas podem salvar a espécie.

O estudo científico destacou que a Austrália e os Estados Unidos, onde “já existem proteções adequadas” e alguns peixes-serra ainda estão presentes, devem ser considerados países “barcos salva-vidas”.

“Embora a situação seja terrível, esperamos compensar as más notícias destacando nossa identificação informada dessas nações prioritárias com esperança de salvar peixes-serra em suas águas”, disse Helen Yan, assistente de pesquisa da SFU.

“Também destacamos nossa descoberta de que, na verdade, ainda é possível restaurar o peixe-serra em mais de 70% de sua gama histórica, se agirmos agora.”

A pesquisa está publicada na revista “Science Advances“.

Fonte: The Independent