Anuncie

(21) 98462-3212

Cientistas descobrem fósseis de animais semelhantes a mamíferos escavadores

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
O espécime holótipo de Fossiomanus sinensis usado para descrever a nova espécie, mostrado em uma fotografia (esquerda) e imagem composta de laminografia computadorizada (tomografia de raios-x). Foto: Reprodução/J. Meng / AMNH

Os paleontólogos descobriram duas novas espécies de animais semelhantes aos mamíferos que existiam em cavernas há cerca de 120 milhões de anos, no que hoje é conhecido como nordeste da China.

As espécies recém-descobertas, que foram reveladas em resultados de estudos publicados na revista “Nature”, não são intimamente relacionadas, mas têm características distintas para reforçar sua rotina de escavação. Eles são os primeiros “escavadores” encontrados neste ecossistema.

Muitas hipóteses foram levantadas sobre por que os animais cavam o solo e permanecem no subsolo, observaram os pesquisadores.
“Para proteção contra predadores, para manter uma temperatura que é relativamente constante – nem muito quente no verão e nem muito frio no inverno – ou para encontrar fontes de alimento, como insetos e raízes de plantas. Esses dois fósseis são um exemplo muito incomum de tempo profundo de animais que não estão intimamente relacionados e ainda assim desenvolveram as características altamente especializadas de um escavador “, relatou no estudo o autor principal Jin Meng, curador da Divisão de Paleontologia do Museu Americano de História Natural.

Dois fósseis de Mammaliamorth descobertos

O fóssil das espécies de mamíferos, que são os predecessores dos mamíferos, foram encontrados na Jehol Biota (que inclui todos os organismos vivos – o ecossistema – do nordeste da China entre 133 e 120 milhões de anos atrás. Este é o ecossistema do Cretáceo Inferior que deixou fósseis na Formação Yixian e Jiufotang. Esses depósitos são compostos de camadas de tefra e sedimentos) e identificados para representar a era do Cretáceo Inferior cerca de 100 a 145 milhões de anos atrás. Um é o réptil semelhante a um mamífero chamado tritilodontídeo, que é o primeiro desse tipo a ser recuperado nesta biota.

Com cerca de 30 centímetros de comprimento, recebeu o nome de Fossiomanus sinensis (Fossio significa “cavar”, manus “mão” e sinensis “da China”) O outro fóssil descoberto, medindo 17 cm de comprimento, recebeu o nome de Juecondon cheni (“Jue” ou escavação do pinyin chinês, o sistema de grafia romanizada para transliterar o chinês, e conodon ou “dente cúspide” e cheni para Y. Chen, que encontrou o fóssil). É classificado como eutriconodontano, um primo distante dos modernos mamíferos placentários e marsupiais, que era comum no habitat.

Mamíferos adaptados para escavação mostram características excepcionais para escavação. Os pesquisadores viram algumas das características identificáveis ​​de Fossiomanus sinesis e Juecondon cheni, incluindo membros mais curtos, membros anteriores robustos com mãos fortes e uma cauda curta. E isso conota um tipo de comportamento de escavação chamado “escavação de arranhão”, que é feito principalmente com as garras dos membros anteriores.

Fóssil tinha 38 vértebras

Ming observou que esta é a primeira vez que pesquisadores descobrem e estudam escavadores em Jehol Biota, considerado o lar de diversas espécies, de plantas a insetos.

Esses animais também compartilham outra característica distinta – uma coluna vertebral estendida . Normalmente, os mamíferos têm 26 vértebras do pescoço ao quadril. Mas o Fossiomanus tem 38 vértebras – 12 a mais que o mamífero comum, enquanto o Jueconodon tinha 28. Tentando saber como essas criaturas ganharam troncos estendidos, os paleontólogos buscaram estudos recentes em biologia do desenvolvimento, descobrindo que a variação poderia ser devido a mutações genéticas que identificava a forma e o número das vértebras no início do desenvolvimento embrionário do animal. Essa variação também pode ser observada nos mamíferos atuais, como elefantes, hyraxes e peixes-boi.

Fonte: Science Times