Anuncie

(21) 98462-3212

Covid-19: Rússia regista primeira vacina para animais

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Quando surgiu a pandemia do novocoronavírus, o mundo se uniu para desenvolver uma vacina capaz de conter seu avanço. Agora, as vacinas desenvolvidas para proteger os humanos contra a covid-19 já estão sendo massivamente administradas. Mas e os animais?

Embora nem todos representem, pelos vários estudos já efetuados, um perigo de transmissão, a Rússia registou a primeira vacina contra a covid-19 destinada aos animais.

Lembrando que, em maio do ano passado, a Dinamarca abateu cerca de 16 milhões de martas (espécie de mamífero mustelídeo) por preocupações relacionadas com a possível mutação e transmissão do vírus. Aliás, um relatório da Organização Mundial de Saúde relata que a covid-19 pode ter chegado às pessoas através de um animal.

De acordo com a agência de notícias russa TASS, a vacina chama-se Carnivak-Cov e começará a ser produzida em massa já em abril.

Nova vacina poderá evitar novas mutações

Conforme revelou Konstantin Savenkov, chefe adjunto do Federal Service for Veterinary and Phytosanitary Surveillance, na Rússia, os ensaios clínicos da Carnivak-Cov começaram em outubro do ano passado e envolveram cães, gatos, raposas, raposas do Ártico, martas e outros animais.

Além disso, explicou que todos os animais vacinados desenvolveram anticorpos e que o resultado da investigação deu à Rússia “motivos para concluir que a vacina é segura e tem um forte efeito imunogénico”.

De acordo com o que foi divulgado, estima-se que o efeito dure “não menos do que seis meses.”

No ano passado, a Rússia foi o primeiro país a aprovar uma vacina contra a covid-19, para os humanos. Agora, será a primeira também na proteção dos animais.

“Segundo os cientistas, a utilização da vacina pode evitar novas mutações do vírus”, disse Savenkov.

Sendo esse o primeiro exemplar de imunizante para animais, já há registo de vários países que planejam comprar, como a Grécia, Polónia e Áustria, bem como outros interessados, como os EUA, Canadá e Singapura.

Fonte: PPLWare