Anuncie

(21) 98462-3212

Descoberta pintura de animal que pode ser a mais antiga da história da humanidade

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Pintura em caverna na Indonésia tem 45,5 mil anos. Foto: Reprodução

Arqueólogos descobriram uma pintura de porcos em uma caverna na Indonésia, que pode ser a pintura mais antiga que representa uma figura no registro arqueológico conhecido pelo homem.

A pintura foi descoberta na caverna Leang Tedongnge, na ilha de Sulawesi, por uma equipe liderada por Adam Brumm e Maxime Aubert, da Griffith University em Brisbane, Austrália.

De acordo com os pesquisadores, a pintura parece mostrar uma interação entre três porcos verrugosos Sulawesi – uma espécie de porco de pernas curtas (também conhecido como Sus celebensis) que ainda são encontrados na Indonésia, bem como durante o período Pleistoceno, onde na época eram uma presa em que os primeiros humanos confiavam.

Dos três porcos, um deles é grande e claramente se parece com um, enquanto os outros não são tão visíveis. O porco na pintura tem 1,37 m de comprimento e 53 cm de altura.

Outra pintura de porcos foi descoberta em Leang Balangaija. Foto: Reprodução

Os arqueólogos também descobriram outra pintura de porcos na caverna Leang Balangaija, onde o grande porco vermelho mede 1,09 m de altura e 1,87 m de comprimento com o que parece ser mais dois animais ao seu lado. Ele também tem marcas de mãos humanas que foram presas na parede.

De acordo com Adam Brumm, a antiga pintura porcina poderia ser representações de troféus de caça. “Eles são porquinhos muito, muito pequenos, mas esses artistas antigos os retrataram com uma gordura resplandecente, que imagino ter algo a ver com seu interesse em matar os porcos maiores e mais gordos que puderam encontrar, que renderam a maior quantidade de carne e proteína”, disse.

Os autores afirmam que a pintura de Leang Tedongnge é a pintura mais antiga, até onde eles sabem, datando de 45,5 mil anos atrás, enquanto a pintura de Leang Balangaija data de pelo menos 32 mil anos.

Fonte: India Times