Anuncie

(21) 98462-3212

Documentário mostra a importância das araras para Campo Grande (MS)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Araras são símbolo de Campo Grande (MS), Foto: Divulgação/Grupo Rio da Prata

Reza a lenda que as capivaras são os grandes símbolos de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Mas há outro animal que desponta entre os queridinhos pela beleza e a presença em praticamente todos os pontos da cidade: a arara.  

O reconhecimento é tanto que uma lei, a nº 6.567, instituiu o município como Capital das Araras e o dia 22 de setembro como o Dia Municipal de Proteção das Araras.

Tudo isso inspirou o projeto e documentário “Campo Grande das Araras”, que foi lançado no último sábado, pelo YouTube da Secretaria de Turismo.  

Durante quase um ano, a produção do projeto conversou com moradores, pesquisadores e apaixonados pelas aves, acompanhou voos e registrou o modo de vida das araras. O resultado mostra a convivência harmônica entre o ser humano e os animais na cidade com mais ninhos e presença delas em todo o mundo.

Segundo uma das diretoras do documentário, Lu Bigattão Rios, o projeto surgiu justamente pela admiração que ela e a irmã, Rosiney Bigattão, sentiam pelas araras. “A presença delas na cidade é uma coisa que encanta, todo mundo que vem aqui fica encantado, o tempo inteiro estamos escutando elas. A gente quis fazer uma coisa diferente e aproveitar para mostrar Campo Grande de cima, por isso há imagens de drones”, explica Lu.

O documentário tem 30 minutos e mostra detalhes de Campo Grande e o porquê da cidade ser um ponto importante para a sobrevivência da espécie. “Optamos por desenvolver um documentário mais educativo, aprofundado. Tem informações e entrevistas com pesquisadores do Instituto Arara Azul e do Centro de Reabilitação de Animais Silvestres [Cras] e com fotógrafos, mostrando detalhes sobre a alimentação e o cotidiano delas”, pontua.  

Segundo o Instituto Arara Azul, mais de 700 aves da espécie canindé já nasceram nos mais de 300 ninhos monitorados em Campo Grande.  

As araras começaram a chegar na Capital em 1999, fugindo das secas severas e das queimadas no Cerrado e no Pantanal. Encontraram um ambiente favorável e conseguiram se reproduzir, principalmente pela arborização da cidade, que oportuniza alimentação e moradia para as aves. 
 
“A arara-canindé se adaptou à cidade, o que não ocorreu com a arara-azul. Já a arara-vermelha, ela vem para a cidade, visita, se alimenta, mas, quando precisa fazer o ninho, ela volta para a área rural. A canindé foi a que mais se adaptou, fazendo ninhos nas palmeiras imperiais que já perderam as folhas”, afirma Lu.  

“Aqui em Campo Grande também existe a arara híbrida, o cruzamento entre a canindé e a arara-vermelha”, completa.

Confira o documentário completo

Fonte: Bonito Notícias