Anuncie

(21) 98462-3212

Embriões de rinoceronte-branco do Norte são criados em laboratório para tentar salvar criaturas quase extintas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Najin é uma das duas únicas fêmeas ainda vivas da espécie. Reprodução/Youtube

Dois embriões de rinoceronte-branco do Norte foram criados em um laboratório, trazendo uma nova esperança de que o animal poderia ser salvo da extinção.

Os dois novos embriões viáveis ​​somam-se ao estoque existente de três, elevando o número total de embriões viáveis ​​para cinco, anunciou o projeto BioRescue, uma organização internacional que trabalha para salvar a espécie.

Apenas dois rinocerontes-brancos do Norte sobraram na Terra e ambos são fêmeas. No último esforço, a equipe coletou óvulos de uma dessas fêmeas e os fertilizou usando o esperma congelado de um macho morto.

“Não é um exercício científico, é realmente uma abordagem de conservação com tecnologias muito ambiciosas e muito novas”, disse o Dr. Thomas
Hildebrandt, chefe do projeto BioRescue e professor do Instituto Leibniz para Pesquisa em Zoológicos e Vida Selvagem na Alemanha, ao periódico “Live Science”.

Décadas de caça furtiva para obter seu chifre deixaram o rinoceronte-branco do Norte (Ceratotherium simum cottoni) à beira da extinção, de acordo com o World Wildlife Fund for Nature (WWF). As duas fêmeas ainda sobreviventes da espécie, Najin e sua filha Fatu, vivem na Ol Pejeta Conservancy, no Quênia central.

Ambas são incapazes de engravidar devido a problemas de saúde, então cientistas e conservacionistas estão correndo para produzir embriões viáveis ​​em um laboratório que pode ser implantado no rinoceronte-branco do Sul.

A equipe sedou Fatu em dezembro e coletou óvulos de seus ovários. Eles não puderam coletar óvulos de sua mãe, Najin, possivelmente devido à sua idade avançada e à presença de um tumor em seu abdômen, de acordo com o comunicado.

Os óvulos de Fatu foram transportados do Quênia para o laboratório Avantea, na Itália, e foram fertilizados com o esperma descongelado de Suni, que morreu na Ol Pejeta Conservancy em 2014.

Os cientistas criaram dois óvulos fertilizados a partir dos óvulos de Fatu e do esperma de Suni, que então se desenvolveram em embriões viáveis. Eles foram armazenados em nitrogênio líquido, junto com os outros três embriões criados em 2019, segundo o comunicado.

Os conservacionistas querem implantar esses embriões em substitutos do rinoceronte-branco do Sul, que esperançosamente darão à luz a descendência do rinoceronte-branco do Norte em aproximadamente 16 meses.

Assim que os bebês nascerem, a mãe substituta será mantida na Ol Pejeta Conservancy com os dois rinocerontes brancos restantes, para que o filhote possa crescer com eles. Esta colocação precisa ser feita enquanto Najin e Fatu ainda estão vivas.

Tempo de vida entre 30 e 40 anos

Os rinocerontes-brancos vivem normalmente entre 30 e 40 anos. Najin já tem 31 anos e, embora agora esteja bem de saúde, Hildebrandt não sabe quanto tempo ela vai durar. Sua filha, Fatu, está na casa dos 20 anos.

“Precisamos de um bebê para aprender com Najin e Fatu como se comportar como um rinoceronte-branco do Norte. Isso nos coloca sob bastante pressão do tempo e esperamos poder começar com as primeiras tentativas no final deste ano”, disse Hildebrandt.

Fonte: Livre Science