Anuncie

(21) 98462-3212

Espécie de camaleão considerada extinta ainda sobrevive, diz estudo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Camaleão pigmeu de Chapman (Rhampholeon chapmanorum). Foto: Reprodução

Com apenas 5,5 centímetros de comprimento, o camaleão pigmeu de Chapman (Rhampholeon chapmanorum) foi encontrado em uma floresta tropical de baixa altitude no sul do Malawi, um país no sudeste da África, de acordo com um estudo publicado na última segunda-feira (2) pelo “The International Journal of Conservation“.

Descrito pela primeira vez pelo herpetologista e autor Colin Tilbury em 1992, o camaleão pigmeu de Chapman é um dos camaleões mais raros do mundo.

“Eles são em sua maioria marrons, mas podem mudar para lindos azuis e verdes com pequenos pontos sobre eles e essa é provavelmente uma forma de comunicação”, disse o principal autor do estudo, Krystal Tolley, professor e líder de pesquisa no Laboratório de Ecologia Molecular do Instituto Nacional de Biodiversidade da África do Sul, em comunicado. “Outras espécies de camaleões podem ser histéricas, sibilantes e mordazes, mas os camaleões pigmeus são gentis e simplesmente lindos.”

O risco de extinção dos camaleões é muito maior do que a média de 15% para a ordem de répteis a que pertencem, com 34% das espécies de camaleões classificadas como ameaçadas e 18% quase ameaçadas, escreveram os autores. A maioria das espécies ameaçadas são florestais, o que significa que só podem viver nesse tipo específico de ambiente.

Sobrevivência por meio de aquisições agrícolas

Quando Tilbury descreveu os camaleões pigmeus pela primeira vez em 1992, pesquisadores anteriores notaram sinais de desmatamento substancial nas colinas do Malawi, diz o estudo. Para proteger a espécie de mais danos, 37 camaleões pigmeus das colinas do Malawi foram lançados em um pedaço de floresta a cerca de 95 quilômetros (59 milhas) em 1998, ainda segundo os pesquisadores.

Quando Tilbury avaliou o local de lançamento em 2001 e 2012, os camaleões ainda estavam lá.

Como os camaleões pigmeus são intolerantes a áreas transformadas e Tolley não descobriu nenhum camaleão pigmeu durante o trabalho de avaliação relacionado em 2014, pensava-se que eles poderiam ter se extinguido.

Seu trabalho levou a União Internacional para a Conservação da Natureza a listar os camaleões como criticamente ameaçados de extinção em sua Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas. Usando imagens de satélite históricas (1984-1985) e recentes (2019) do Google Earth das colinas do Malawi e outro sistema de informação geográfica, os autores do estudo atual estimam que cerca de 80% da floresta das colinas foram destruídas de 1984 a 2019.

À noite, nas trilhas de três manchas florestais acessíveis em 2016, os autores caminharam, usando tochas para localizar e registrar camaleões.

“O primeiro que encontramos foi na zona de transição na orla da floresta, onde há algumas árvores, mas principalmente plantas de milho e mandioca”, disse Tolley. “Quando o encontramos, ficamos arrepiados e simplesmente começamos a pular. Não sabíamos se conseguiríamos mais, mas quando entramos na floresta havia muitos.”

Os pesquisadores encontraram sete camaleões adultos ao longo de uma trilha dentro do primeiro pedaço de floresta das colinas de Malawi; 10 camaleões dentro de um local a mais de 6 quilômetros (4 milhas) a sudoeste do primeiro; e 21 camaleões adultos mais 11 filhotes dentro do canteiro de Mikundi, o local do lançamento em 1998.

Camaleões pigmeus ainda enfrentam ameaças

Depois de cortar clipes de cauda de 2 milímetros (0,1 polegada de comprimento) de alguns camaleões adultos, os autores fizeram análises genéticas.

A diversidade genética dos camaleões era normal em comparação com a de outros camaleões e espécies de répteis de corpo pequeno, descobriram os autores. Mas havia diferenças significativas na estrutura genética entre as populações em diferentes áreas, sugerindo que os humanos que fragmentam a floresta interromperam a capacidade de reprodução entre os camaleões e, portanto, seu fluxo gênico – um impacto que aumenta o risco de extinção devido a menos opções de parceiros.

No entanto, os autores podem ter superestimado a quantidade de diversidade genética entre as populações, não levando em consideração a forma como parte do DNA é herdado, disse Eric Routman, professor emérito de biologia da San Francisco State University, que não estava envolvido no estudo.

“E mesmo que eles tivessem muitos loci e boas estimativas genéticas, eles não têm estimativa desses parâmetros antes da fragmentação do habitat, então eles não podem atribuir nenhum efeito genético ao desmatamento”, acrescentou Routman por e-mail.

“Se eu estivesse revisando este artigo, teria recomendado revisões importantes do manuscrito. Essencialmente, a parte genética de seu estudo é inconclusiva.”

Os autores acreditam que os efeitos do desmatamento sobre a diversidade genética podem demorar para aparecer. Mas, para evitar que as espécies camaleônicas cheguem a um ponto sem retorno, a perda da floresta tropical requer atenção imediata, disse Tolley.

“É necessária uma ação de conservação urgente, incluindo a suspensão da destruição da floresta e a recuperação do habitat para promover a conectividade. Embora parte das colinas do Malawi caia dentro de uma área de biodiversidade chave (Reserva Florestal de Matandwe), a maior parte da floresta fica fora dos limites da reserva, e a eficácia da reserva florestal é questionável, visto que a maior parte da destruição ocorreu dentro de seus limites”, escreveram os autores.

“Embora estender a reserva para abranger todos os fragmentos de floresta seja um primeiro passo, são necessárias medidas para evitar a destruição dos fragmentos”, acrescenta o artigo.

Esses esforços seriam importantes também para qualquer outra espécie que possivelmente vivesse entre esses camaleões, escreveram os autores. E pode haver mais camaleões pigmeusnas regiões que ainda não foram exploradas.

Para as pequenas criaturas que Polley descreveu como gentis e bonitas, “tanto o planejamento quanto as ações recomendadas exigem uma liderança forte, pessoal, envolvimento das partes interessadas, inclusive com departamentos governamentais, e financiamento suficiente para garantir o sucesso”, acrescentaram os pesquisadores.

Fonte: CNN