Anuncie

(21) 98462-3212

Golfinhos têm ciclo reprodutivo registrado por pesquisadores em Fernando de Noronha

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Pesquisadores estão monitorando os filhotes recém-nascidos. Foto: Divulgação/Projeto Golfinho Rotador

Pesquisadores do Projeto Golfinho Rotador intensificaram, este mês, o monitoramento com o uso de embarcações. O objetivo é registrar os primeiros momentos dos animais recém-nascidos, em Fernando de Noronha.

Esses mamíferos têm dois picos de nascimento ao longo do ano. No primeiro semestre, os partos ocorrem entre março e abril. No segundo semestre, os nascimentos acontecem entre agosto e setembro.
Por causa desse comportamento, maio é o mês é ideal para avistar os primeiros filhotes da temporada 2021, de acordo com os pesquisadores.

Segundos os estudiosos, as áreas de concentração da espécie são a Baía de Santo Antônio, a Baía dos Golfinhos e regiões entre ilhas. “Com o monitoramento embarcado, nós conseguimos observar uma área maior. Nesse trabalho observamos o deslocamento, grupos de cópulas e identificamos os filhotes. Nós confirmamos o pico de nascimento, nos meses de março e abril, uma vez que constatamos uma grande quantidade de filhotes neste mês de maio”, afirmou a pesquisadora do Projeto Golfinho Rotador, Priscila Medeiros.

Os estudiosos estimam que cerca de 360 golfinhos frequentam Noronha por dia. Os pesquisadores não conseguem estimar, no entanto, quantos animais nascem por ano.

A gestação é de dez meses e meio a fêmea tem apenas um filhote a cada três anos. O arquipélago é um local de grande importância para esses mamíferos.

“A espécie, que é oceânica, encontra em Fernando de Noronha baías calmas, com água transparente, qualidades que atraem os golfinhos-rotadores”, explicou Priscila.

A pesquisadora disse, ainda, que a preservação do arquipélago é importante para os golinhos-rotadores.

“Os golfinhos-rotadores visitam Noronha diariamente para se reproduzir, cuidar dos filhotes, descansar e se abrigar dos predadores. Os resultados das pesquisas só reforçam a necessidade da conservação de Fernando de Noronha”, falou a estudiosa.

Sexo em grupo

Os golfinhos-rotadores, que cientificamente são chamados de Stenella longirostris, fazem sexo em grupo.

“Os grupos de cópula têm de 50 a 150 indivíduos. Nos atos sexuais, podem ocorrer de uma fêmea para 20 a 30 machos. Os machos se reservam na cópula com as fêmeas”, revelou Priscila Medeiros.

Os estudiosos explicaram que o macho se posiciona de barriga para cima para realizar o ato sexual. Os grupos de cópulas são coesos e agitados, informam os pesquisadores.

Os pesquisadores classificaram que as fêmeas têm múltiplos parceiros, que não são fixos. Além dos filhotes, nos passeios de barco, é possível observar a cópula dos golfinhos.

O Projeto Golfinho Rotador desenvolve pesquisa do comportamento desses animais em Fernando de Noronha há 30 anos com apoio do Programa Petrobras Socioambiental.

Fonte: Ana Clara Marinho/G1