Anuncie

(21) 98462-3212

Levantamento aéreo revela uma baleia prestes a dar à luz enquanto estava presa em uma rede de pesca

Baleia-franca-do-atlântico-norte (Eubalaena glacialis). Foto: Reprodução

Equipes de biólogos da vida selvagem confirmaram o nascimento do filhote de uma baleia emaranhada perto das águas da Ilha de Cumberland, Geórgia, nos Estados Unidos. A baleia em questão é a baleia-franca-do-atlântico-norte (Eubalaena glacialis), ameaçada de extinção, que foi vista arrastando o comprimento de uma corda de pesca presa em sua boca enquanto nadava com seu filhote recém-nascido.

O biólogo de vida selvagem Clay George, do Departamento de Recursos Naturais da Geórgia, disse que o filhote de baleia parecia saudável e ileso durante sua pesquisa aérea na última quinta-feira, 2 de dezembro.

Segundo nascimento de baleia no sudeste dos EUA

Segundo o site Phys.org, o filhote recentemente avistado por meio de pesquisa aérea é a segunda baleia-franca recém-nascida confirmada nas águas do Atlântico no sudeste dos EUA, durante a estação de parto que, normalmente, começa em dezembro até março.

Cientistas disseram que puderam localizar a baleia ameaçada de extinção na semana passada arrastando uma corda de pesca pelo menos desde março deste ano, quando foi relatado pela primeira vez que ela estava enredada na baía de Cape Cod, na costa de Massachusetts. Os pesquisadores conseguiram cortar a corda, mas não conseguiram soltá-la antes que a baleia fosse para o sul.

“Não vimos uma baleia cronicamente enredada vir do norte para cá e ter um filhote”, disse George. “É incrível. Mas, por outro lado, pode acabar sendo uma sentença de morte para ela.”

Especialistas apontaram que a mãe baleia pode ter dificuldade em cuidar de seu filhote enquanto arrasta a linha de pesca e se recupera dos ferimentos causados ​​por ela. As baleias geralmente se alimentam e acasalam nas águas perto da Nova Inglaterra e do Canadá antes de seguirem para o sul para dar à luz e não comerão novamente até que retornem, o que pode levar pelo menos três meses ou mais.

No mesmo dia em que avistaram a baleia e seu filhote, um grupo treinado de socorristas se aproximou deles por meio de um barco para ver suas condições. George disse que a equipe havia concluído qualquer tentativa de remover ou encurtar ainda mais a corda de pesca, pois poderia representar grande perigo para a mãe, o filhote e a tripulação.

No entanto, eles decidiram ficar de olho na baleia e em seu bebê e verificá-los diariamente, especialmente durante a época de partos, para garantir que estão em boas condições.

Fonte: Science Times