Anuncie

(21) 98462-3212

Maior soltura de peixes-bois da Amazônia acontece na semana que vem

Animais saudáveis retornarão ao seu ambiente natural. Foto: Pixabay

O retorno de peixes-bois ao habitat natural é um dos momentos mais comemorados por biólogos, veterinários, tratadores, pesquisadores e parceiros que contribuem com a tarefa de salvar a espécie ameaçada de extinção. Ainda mais quando se trata da maior soltura de peixes-bois da Amazônia.

De acordo com o biólogo da Associação Amigos do Peixe-Boi, Diogo de Souza, os animais estão na última fase de avaliação (que são os exames clínicos) para garantir o retorno de animais saudáveis ao ambiente natural. Dependendo dos resultados, 12 ou 13 indivíduos, entre machos e fêmeas com idades entre cinco e 12 anos, devem voltar à natureza. Mas do resgate até essa fase, o biólogo diz que o processo foi – e sempre é – longo e bem complexo.

Contando com os peixes-bois que serão soltos, atualmente, no tanque do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), tem 72 animais. Cinco filhotes foram resgatados só neste ano – um número considerado alto pela pesquisadora e coordenadora do projeto Mamíferos Aquáticos da Amazônia, Vera da Silva, que também enfatiza a necessidade de mais recursos para que uma quantidade maior de peixes-bois voltem à natureza.

Outra forma de manter os animais nos rios é com ajuda das comunidades ribeirinhas e a recomendação da pesquisadora vai para os pescadores.

“A nossa recomendação é que se o pescador encontrou um filhote de peixe-boi na sua rede, e o filhote estiver bem – ou seja não não estiver nem ferido e nem muito magro -, ele deve liberar o filhote e ficar quieto observando para ver se o filhote vai embora. Se o filhote for embora, é porque ele está ouvindo o chamado da mãe e foi se encontrar com ela. Se ele continuar na área por algum tempo, alguns minutos, então sim, ele pode ser novamente retirado. E aí é a pessoa que encontrou esse animal que deve entrar em contato com a secretaria de Meio Ambiente do seu município, que tomará as devidas providências para o resgate desse animal. Então, vamos tentar manter os os peixes-bois no seu ambiente natural, com a sua mãe, o que é o ideal”. 

A maior soltura de peixes-bois da Amazônia será de 20 a 23 de julho, na reserva Piagaçu-Purus, que fica no baixo Purus, a 223 quilômetros de Manaus. Quando os animais são devolvidos ao habitat natural, continuam sendo monitorados por um transmissor, com apoio de comunidades da região, como explica o biólogo da Associação Amigos do Peixe-Boi.

Livre na natureza, o peixe-boi pode viver até 60 anos. Todo esse trabalho de resgate, reabilitação e soltura faz parte do Programa de Reintrodução de Peixes-bois da Amazônia, executado pela Associação Amigos do Peixe-Boi, em parceria com o INPA e patrocínio da Petrobras Socioambiental.

Fonte: Agência Brasil