Anuncie

(21) 98462-3212

O aquecimento e a acidificação constituem uma ameaça dupla para os corais

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Grande Barreira, na Austrália, é o maior recife de corais do mundo. Foto: Free Photos/Pixabay

Um quarto das emissões de carbono que estão aquecendo a Terra se dissolvem nos oceanos, tornando-os mais ácidos. As emissões de carbono e o aquecimento também estão causando ondas de calor no oceano, que, por sua vez, estão branqueando os recifes de coral do mundo.

Agora, um estudo liderado pela UCLA (Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos) revela como o aumento da acidez e o aquecimento da temperatura do oceano podem interagir para ameaçar corais que constroem recifes.

A acidificação e o aquecimento são um golpe duplo que prejudica a capacidade dos corais de formar exoesqueletos e crescer. O novo estudo fornece evidências de como os dois fatores interagem para prejudicar os corais ainda mais do que a soma de suas partes sugere.

O artigo, publicado na “Science Advances”, analisou duas espécies: o coral couve-flor e o coral do capô, que prosperam principalmente nas águas tropicais dos oceanos Índico e Pacífico. Ambos foram capazes de lidar com dióxido de carbono mais alto e maior acidez a uma temperatura de 28 graus Celsius (82,4 graus Fahrenheit), que está na faixa ideal para o crescimento de coral. Eles ainda cresceram mais rápido com mais dióxido de carbono na água.

A 31 graus Celsius (87,8 Fahrenheit), no entanto, nenhuma das espécies conseguiu manter um crescimento significativo em qualquer nível de acidez testado pelos pesquisadores. Para o coral couve-flor, o efeito composto de aquecimento e acidificação foi pior do que apenas com o aquecimento. O aumento das temperaturas, escrevem os pesquisadores, parecia comprometer a capacidade do coral de regular sua acidez interna, tornando o coral mais vulnerável aos efeitos da acidificação do oceano .

O pesquisador Robert Eagle, membro do Instituto UCLA de Meio Ambiente e Sustentabilidade, disse que a interação das duas ameaças está começando a entrar em foco.

“Há uma sensação de que a acidificação seria ruim para os corais, e há evidências de que é prejudicial em certas espécies e locais”, comentou Eagle, que é co-autor do estudo e professor assistente de ciências atmosféricas e oceânicas. “Mas também está claro que alguns corais são bastante resistentes à acidificação por conta própria. Agora, no entanto, mostramos que o aquecimento pode diminuir as defesas dos corais contra a acidificação, produzindo um efeito negativo interativo.”

É bem sabido que o aquecimento das águas faz com que os corais expulsem algas simbióticas que vivem dentro deles e produzem a maior parte dos nutrientes dos organismos por meio da fotossíntese. O processo transforma os corais em um branco fantasmagórico, uma condição chamada de branqueamento do coral . Os corais podem sobreviver por um tempo sem as algas – eles usam tentáculos para comer comida do oceano – mas quando o branqueamento dura muito ou acontece com muita freqüência, os corais eventualmente morrem.

A UCLA fez parceria com pesquisadores de instituições globais para o estudo, incluindo a Northwestern University, a Bremen University, o Indian Institute for Science e a University of Cambridge.

A pesquisa demonstra como o aquecimento global exacerba os danos que outros fatores podem causar em sistemas biológicos complexos. Nesse caso, disse Eagle, o estresse térmico interferiu na capacidade natural do coral de regular sua defesa contra a acidificação .

E reforça a noção de que as perspectivas de grandes sistemas de recifes como a Grande Barreira, na Austrália – o maior do mundo -, são sombrias. Espera-se que as ondas de calor marinhas piorem nas próximas décadas e provavelmente causem eventos de branqueamento mais severos e matem mais corais. As espécies de coral podem não necessariamente se extinguir, disse Eagle, mas podem mudar para locais diferentes e podem não existir mais em grandes sistemas de recifes contínuos.

Os corais também podem desenvolver alguma habilidade de adaptação às futuras condições do oceano. Mas de acordo com Maxence Guillermic, o principal autor do artigo, essa adaptação pode acontecer tarde demais para salvar os principais sistemas de recifes do mundo.

“A conservação dos corais em um mundo onde as ondas de calor estão se tornando mais frequentes será um desafio”, disse Guillermic, geoquímico da UCLA. “A história contada em nosso artigo é uma pequena peça. É importante entender as causas das interações entre os estressores, incluindo os estressores relacionados às mudanças climáticas. Só então podemos encontrar maneiras de conservar os corais de maneira significativa”, concluiu.

Fonte: Universidade da Califórinia