Anuncie

(21) 98462-3212

Paleontólogos portugueses descobrem o mais completo crânio de plesiossauro em Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Crânio de plesiossauro está bem preservado e articulado. Foto: Reprodução

Um novo estudo publicado na revista “PlosOne” revela o mais completo crânio de plesiossauro da África sub-sahariana, tendo sido descoberto e escavado na província do Namibe, Angola, por paleontólogos da Universidade Nova de Lisboa.

O estudo desse réptil marinho, com 72 milhões de anos, foi o resultado da tese do Mestrado em Paleontologia da Universidade Nova de Lisboa, em associação com a Universidade de Évora, por Miguel Marx, informa a nota enviada pela instituição.

“Além de ser o mais completo plesiossauro da África sub-sahariana, o achado é importante porque tem um crânio bem preservado e articulado”, sublinha o comunicado, acrescentando que esta “é a mais recente descoberta” do Projeto PaleoAngola, uma iniciativa científica que já apresentou o primeiro dinossauro de Angola e outros vertebrados fósseis daquele país, no âmbito da cooperação entre a Universidade Nova de Lisboa, o Museu da Lourinhã, a Universidade Agostinho Neto em Angola e outras instituições nos Estados Unidos e Holanda.

Segundo a instituição, o achado agora em destaque “foi classificado como Cardiocorax mukulu, uma espécie que o Projeto PaleoAngola já tinha descoberto em Angola, em 2015″.

Os plesiossauros elasmosaurídeos, “semelhantes ao mítico monstro de Loch Ness” (também chamado monstro do lago Ness), podiam atingir 20 metros de comprimento, com cabeças pequenas e pescoços muito longos, refere.

A natureza tridimensional bem preservada do crânio oferece uma visão rara da anatomia craniana destes plesiossauros, acrescenta.

De acordo com o mesmo comunicado, o novo espécime de Cardiocorax mukulu foi recuperado em Bentiaba, província do Namibe, em rochas do Cretácico Superior com cerca de 72 milhões de anos.

“O Cardiocorax mukulu representa uma linhagem mais antiga de elasmosaurídeos e que pouco se alterou em dezenas de milhões de anos, o que surpreendeu os paleontólogos”, salienta, referindo que a tomografia computadorizada do crânio revelou que a anatomia craniana desta linhagem pouco evoluiu ao longo dos 22 milhões de anos.

O trabalho de laboratório foi feito na Universidade Nova de Lisboa e o principal autor do estudo, Miguel Marx, que terminou o seu mestrado em Portugal, vai iniciar o seu doutoramento na Universidade de Lund, na Suécia, no final deste mês.

Entre os coautores do estudo científico incluem-se Octávio Mateus, da Universidade Nova de Lisboa e Museu da Lourinhã, Louis Jacobs e Michael Polcyn, da Southern Methodist University dos Estados Unidos, Anne Schulp do Centro de Biodiversidade Naturalis e da Universidade de Utrecht na Holanda; e Olímpio Gonçalves, da Universidade Agostinho Neto, em Angola.

Muitos dos fósseis de Angola colhidos pela equipe de cientistas estão atualmente em exibição no Museu Nacional de História Natural do Smithsonian, em Washington, nos EUA, na exposição temporária “Sea Monsters Unearthed”.