Anuncie

(21) 98462-3212

Pangolins filipinos ainda podem ser salvos, conclui estudo científico

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Filhote de pangolim filipino e sua mãe, uma espécie criticamente ameaçada
de extinção. Foto: Reprodução/Eco Watch

O conhecimento sobre o pangolim filipino, única espécie de pangolim no país, é escasso. Avistamentos do animal são ainda mais raros. Mas, ao contrário de outras espécies de pangolim ao redor do mundo que oscilam à beira da extinção, um novo estudo científico sugere que, com as medidas de conservação adequadas, o pangolim endêmico das Filipinas ainda tem uma chance de se recuperar.

Em um estudo publicado em dezembro passado na revista “Global Ecology and Conservation”, pesquisadores realizando um estudo abrangente descobriram que pangolins filipinos (Manis culionensis) foram vistos em 17 dos 24 municípios de Palawan, a província insular que é o único lugar na Terra onde esta espécie ocorre.

“Isso é promissor para o pangolim filipino e sugere que não é tarde demais para estabelecer esforços de conservação em toda a extensão da espécie”, disse a autora Lucy Archer, da Sociedade Zoológica de Londres (ZSL), ao “Mongabay”.

Uma espécie enigmática

Tão pouco se sabe sobre o pangolim filipino que, embora a The International Union for Conservation of Nature (IUCN) considere a espécie em perigo crítico, não há uma estimativa aceita para sua população de linha de base. A literatura científica sugere que a espécie nunca foi comum e entrevistas com comunidades indígenas realizadas em 2018 sugerem que ela está em declínio acentuado desde a década de 1980, observa a IUCN .

No entanto, a pesquisa recém-publicada dá motivos para otimismo.

Pesquisas abrangentes semelhantes avaliando o conhecimento dos locais sobre pangolins, feitas na África Ocidental para o pangolim gigante (Smutsia gigantea) e na China e no Vietnã para o pangolim chinês (Manis pentadactyla), mostram que os locais acreditam fortemente que suas espécies de pangolim estão extintas: os avistamentos estão raros ou inexistentes. Este não é o caso dos pangolins filipinos: os habitantes locais ainda os estão vendo, embora muito raramente e o número de áreas onde podem ser encontrados é alto.

“Em comparação com estudos semelhantes sobre espécies de pangolim em outros lugares, esses resultados sugerem que as populações de pangolins filipinos podem não ter atingido os níveis críticos mostrados pelos pangolins chineses na China e no Vietnã, ou pelos pangolins gigantes no Benin”, disse Archer. “Isso dá alguma esperança para a espécie.”

O levantamento ocorreu de janeiro a junho de 2019 e ajuda a estabelecer a área de distribuição da espécie com base nos avistamentos dos residentes. Os habitantes locais chamam o animal de balintong, que significa “salto mortal”, em referência ao seu hábito de rolar para se esconder do perigo.

O pangolim filipino era considerado até 1998 como uma população separada do pangolim Sunda (Manis javanica), que ocorre em grande parte do sudeste da Ásia, mas não nas Filipinas. Seu reconhecimento como espécie própria coincidiu com um boom de caça furtiva local: a alta demanda por escamas de pangolim na China e no Vietnã, combinada com o aumento da fiscalização em rotas conhecidas de tráfico de pangolim Sunda, fez com que os traficantes voltassem sua atenção para o pangolim filipino.

Os conservacionistas locais também vinculam um aumento nos projetos chineses nas Filipinas à crescente demanda por carne de pangolim em restaurantes em Manila que atendem ao fluxo de trabalhadores e visitantes chineses. Em um período de dois anos, os pangolins filipinos se tornaram uma das espécies mais traficadas no país, levando-os à posição de perigo crítico tanto na IUCN quanto nas listas vermelhas nacionais.

As apreensões iniciais de tráfico geralmente resultaram em carregamentos de pangolins e várias espécies de tartarugas. Mas, desde 2018, as autoridades filipinas interceptam remessas que consistem apenas de partes de pangolim. Em setembro de 2019, as autoridades da cidade de Puerto Princesa, capital de Palawan, fizeram a maior apreensão de escamas de pangolim filipino: 1.154 kg, pelos quais pelo menos 3,9 mil pangolins teriam sido mortos.

De 2018 a 2019, as autoridades locais apreenderam 6.894 pangolins filipinos, de acordo com um relatório recente divulgado pelo grupo de monitoramento do comércio de animais selvagens TRAFFIC. O número é alarmante, dizem os conservacionistas, porque não há estimativas claras de quantos animais permanecem.

Mas enquanto os pesquisadores correm contra o tempo para salvar a população local de pangolins, os estudos são limitados pelos hábitos peculiares e enigmáticos do pangolim. Os pangolins são solitários, noturnos, não vocais e semi-arbóreos. Embora essas características não tenham sido suficientes para protegê-los dos caçadores ilegais, eles tornam muito difícil estudar as espécies na natureza, diz Archer.

“Imagine andar por uma floresta à noite e tentar encontrar algo que faça pouco barulho e que possa ser encontrado sozinho no alto de uma árvore”, diz ela. “Levaria muito tempo e esforço!”

Esses comportamentos enigmáticos resultam em probabilidades de detecção baixas, o que significa que as chances de detectar um, mesmo se estiver próximo, são “muito pequenas”, acrescenta Archer.

“Pesquisas gerais de biodiversidade, portanto, raramente registram pangolins e, portanto, são necessários métodos de monitoramento específicos”, diz ela. “No entanto, tais métodos ainda estão em desenvolvimento para pangolins, então ainda não aceitamos ou padronizamos métodos de monitoramento. Em parte, porque eles são tão difíceis de encontrar, o que torna o desenvolvimento de tais métodos difícil!”

Locais oferecem pistas

É aqui que entra o estudo de Archer e sua equipe. Ele adiciona à base de conhecimento existente, extraindo do que é chamado de conhecimento ecológico local (LEK), tipo de dados que se baseiam em observações de primeira mão ou interações de moradores em uma área onde uma espécie pode ser encontrada.

“LEK é baseado na premissa de que a população local pode muitas vezes ter mais informações e fornecer informações e conhecimentos importantes sobre espécies raras que utilizam os mesmos ambientes que eles”, comenta Archer. “Fica claro com este resultado que a população local possui uma riqueza de conhecimentos importantes sobre a vida selvagem em suas áreas locais. Eles são os verdadeiros especialistas.”

Mas embora tenha sido usado na conservação, particularmente em esforços de conservação liderados pela comunidade, o conhecimento dos locais sobre seus ambientes continua sendo uma fonte de dados amplamente subutilizada. “Seus benefícios consistem em ser capaz de coletar muitas informações em grandes áreas geográficas em um período de tempo relativamente curto e com custos baixos – este estudo foi realizado em seis meses”, disse Archer.

“Esperançosamente, estudos como este ajudarão o desenvolvimento de métodos, já que novos métodos de monitoramento podem ser testados em áreas onde pelo menos sabemos que a espécie existe. Também podemos usar o conhecimento local para visar habitats e locais específicos onde as pessoas viram as espécies recentemente “, explica Archer.

Oitenta e sete por cento dos entrevistados na pesquisa Palawan conseguiram identificar e fornecer informações sobre o pangolim filipino, mas disseram que avistamentos são raros ou muito raros, mesmo em comparação com outras espécies ameaçadas. Isso aponta para uma necessidade urgente de estabelecer iniciativas de conservação localizadas, diz o estudo. E a pesquisa aponta um alto nível de apoio local geral para a proteção da vida selvagem, particularmente do pangolim.

“Com altos níveis de conhecimento e grande vontade de se envolver nos esforços de conservação relatados pelos entrevistados neste estudo, acho que a população local está realmente bem posicionada para ajudar a orientar e desenvolver os esforços de conservação”, disse Archer.

O estudo forma a base para a ação de conservação do ZSL e o envolvimento da comunidade no município de Taytay, no norte de Palawan, uma das áreas prioritárias de conservação identificadas. Archer diz que uma segunda fase envolve o uso de armadilhas fotográficas para monitorar as espécies, o que provavelmente ajudará na criação de uma área de conservação comunitária.

“Esperamos que isso forneça um conjunto útil de informações que os governos locais e organizações conservacionistas possam usar para informar os esforços de conservação, e que pesquisas futuras possam ser comparadas para rastrear tendências no status das espécies e ameaças”, diz a pesquisadora.

Fonte: Eco Watch