Anuncie

(21) 98462-3212

Pesquisadora descobre no Paraná floresta de 290 milhões de anos ‘congelada no tempo’

Floresta fossilizada. Foto: Thammy Mottin/Arquivo/Reprodução Ciência UFPR

Uma floresta com 164 árvores da linhagem das licófitas foi encontrada fossilizada no município de Ortigueira, no estado do Paraná — antigo paleocontinente Gondwana —, local em que viveu há cerca de 290 milhões de anos. A descoberta foi feita pela estudante do Programa de Pós-Graduação em Geologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Thammy Ellin Mottin, durante sua pesquisa de doutorado, e publicada no periódico Palaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology.

Segundo a pesquisadora, o achado pode ser comparado a uma janela que permite ver o passado.

“As árvores estão preservadas dentro da rocha da exata maneira em que viviam, ou seja, elas ainda guardam as características daquele ecossistema de cerca de 290 milhões de anos atrás”.

Por terem raízes, as plantas podem ser preservadas na sua posição original, isto é, na forma vertical, diferente do que ocorre com organismos que se movem. Contudo, florestas fósseis preservadas em posição de vida são extremamente raras no mundo, especialmente no paleocontinente Gondwana, onde, até hoje, só há o relato de mais dois locais com plantas da linhagem preservadas desta forma: na Patagônia argentina e no estado do Rio Grande do Sul, regiões em que o número de licófitas é bem menor e cujos caules se encontram deformados verticalmente.

As licófitas de Ortigueira não estão comprimidas como nesses outros dois lugares, permitindo uma reconstrução da planta com mais fidelidade. Isso fez com que informações de como as árvores eram distribuídas no terreno, quantidade por hectare, relação das árvores entre si, sua interação com o ambiente, entre outros aspectos, pudessem ser recuperadas.

Thammy conta que o sistema de raízes das árvores que encontrou nunca havia sido descrito em licófitas do Gondwana.

“O sistema de raízes forma lobos que partem da base dos caules, cuja função seria a ancoragem da planta no substrato”. A autora ainda revela que essa vegetação mostra vestígios de como se dava a interação das árvores com o substrato e de como era a interação entre as plantas. “Formavam grupos de três a quatro árvores espaçados entre si”.

Pangeia

Há milhões de anos, na época em que viviam as licófitas de Ortigueira, havia um único bloco continental, denominado Pangeia, que foi formado ao longo de dezenas de milhões de anos pela aproximação dos antigos megacontinentes chamados Euramérica (ou Laurásia), Sibéria, Gondwana, entre outros de menores dimensões.

Posteriormente, esse bloco de Terra se fragmentou, gerando a configuração continental atual.

Durante esse período, conhecido como Permiano, a Terra foi cenário de eventos biológicos importantes, como a diversificação das plantas terrestres, seguida pela diversificação de insetos, que estavam diretamente associados aos habitats ocupados pelas plantas.

Além disso, surgiram pela primeira vez importantes linhagens de répteis que mais tarde, na era mesozoica, dariam origem aos mamíferos.

A partir da separação das placas africana e sul-americana e da formação do Oceano Atlântico entre elas, Gondwana passou por um processo de fragmentação originando as regiões que hoje conhecemos como América do Sul, África, Antártida, Austrália e Índia, além de outras menores.

“Os continentes que compunham o Gondwana possuem rochas que contêm fósseis de flora e de fauna característicos, que permitem correlacionar os subcontinentes formadores do Gondwana e mostrar que eles estavam unidos no passado”, explica Thammy.

Licófitas faziam parte da vegetação do Devoniano

As licófitas são umas das primeiras plantas vasculares, que possuem vasos condutores de seiva, existentes na Terra.

Originárias no Devoniano, período geológico que compreende aproximadamente entre 416 a 359 milhões de anos atrás, são representadas por espécies arbustivas, ainda existentes, e arborescentes, já extintas.

Segundo a doutoranda, as licófitas podiam alcançar alturas de até 40 metros.

“Elas são importantes na história evolutiva das plantas e dos ecossistemas terrestres, pois apresentaram uma novidade, que são os tecidos condutores, o que permitiu a definitiva ocupação do ambiente terrestre e o crescimento em altura das plantas.”

A vegetação era uma das mais abundantes nas florestas tropicais do Período Carbonífero – que sucedeu o Devoniano e precedeu o Permiano – no paleocontinente Euramérica, quando a região estava em áreas equatoriais da época, sob climas quentes e úmidos.

De acordo com Thammy, as licófitas da Euramérica deram origem a importantes depósitos de carvão que são explorados hoje em dia.

“Com a abertura de minas e novas frentes de exploração de carvão naquela região, é relativamente comum a descoberta de licófitas preservadas in situ”. Ela explica que a preservação in situ ocorre quando um conjunto de plantas é fossilizado no local onde vivia.

Já o paleocontinente Gondwana, durante o Período Carbonífero, passava por um severo estágio glacial, o que impedia o desenvolvimento de florestas e vegetações abundantes e exuberantes.

O que a descoberta revela

Após analisarem as rochas e as plantas encontradas e associarem os resultados a diversos trabalhos científicos, Thammy e seus colegas puderam reconstruir o ambiente em que a floresta viveu e a forma como morreu.

Na época em que a floresta estava viva, Ortigueira era banhada pelo antigo Oceano Panthalassa. A região costeira sofria influência da água doce dos rios e da água salgada do mar. “As plantas viviam nessa transição entre terra e mar, em algo semelhante ao que seria uma região de manguezal. Elas ocupavam um substrato frequentemente inundado.”, destaca a doutoranda.

As licófitas eram uma das poucas plantas da época que suportavam viver em áreas inundadas e em condições de água salgada, por isso ocorrem poucas plantas associadas a essa vegetação. Segundo estimativas dos estudiosos, os exemplares encontrados em Ortigueira alcançavam alturas entre quatro e 18 metros. Eles utilizaram o diâmetro dos caules para chegar a esse dado.

Por: Jéssica Tokarski
Leia mais em: ciencia.ufpr.br