Anuncie

(21) 98462-3212

Pesquisadores brasileiros participam de descoberta de novas espécies de dinossauros gigantes na China

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Sítio fossilífero onde foram encontradas duas novas espécies de dinossauros, Silutitan sinensis e Hamititan xinjiangensis. Foto: Wang Xiaolin/Divulgação

Três fósseis de dinossauros foram encontrados por um grupo de cientistas brasileiros e chineses na bacia Turpan-Hami, no noroeste da China, sendo duas novas espécies. São alguns dos primeiros fósseis descobertos na região, de acordo com um estudo publicado na Scientific Reports.

O Dr. Xiaolin Wang e colegas, entre eles pesquisadores brasileiros, analisaram fragmentos fósseis (vértebras espinhais e caixa torácica) previamente descobertos na Bacia de Turpan-Hami, em Xinjiang e datados do Cretáceo Inferior, cerca de 130 a 120 milhões de anos atrás.

A pesquisa é resultado de uma parceria que já dura 18 anos entre o Museu Nacional, vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e o Institute of Vertebrate Paleontology and Paleoanthropology, da China.

Os cientistas compararam características específicas dos fósseis, as vértebras e estrutura das costelas com outros dinossauros saurópodes da China e de outras localidades.

Os autores identificaram o primeiro como uma nova espécie e o chamaram de Silutitan sinensis. Eles descobriram que algumas características das vértebras cervicais indicam que ela pertencia a uma família de saurópodes conhecidos como Euhelopodidae, que até agora foram encontrados apenas no Leste Asiático.

A equipe comparou o espécime com o que eles acreditam ser um grupo estreitamente relacionado de dinossauros e estimaram que ele teria originalmente mais de 20 metros de comprimento.
O segundo, que também identificaram como espécie inédita, foi nomeado Hamititan xinjiangensis. Cientistas estimam que o animal completo tinha 17 metros de comprimento.

Este possuía sete vértebras da cauda. Pela forma e as cristas ao longo das vértebras, os pesquisadores concluíram que pertencia a uma família de saurópodes conhecidos como titanossauros, abundantes na Ásia e na América do Sul.

O terceiro dinossauro foi limitado a quatro vértebras e fragmentos de costelas. Pelas análises a equipe sugeriu que pode ser um saurópode somphospondylan, um grupo de dinossauros que viveu desde o final do Jurássico, 160,3 milhões de anos atrás, até o final do Cretáceo, 66 milhões de anos atrás.