Anuncie

(21) 98462-3212

Reino Unido lança maior sistema de monitoramento subaquático da vida selvagem do mundo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Um tubarão-azul encontra uma câmera de monitoramento com isca.
Foto: Laboratório de Futuros Marinhos/ Universidade da Austrália Ocidental

O Reino Unido vai instalar a maior rede mundial de sistemas subaquáticos de monitoramento da vida selvagem em 10 territórios no exterior nos próximos meses. O objetivo é medir o sucesso de seus esforços de conservação do oceano.

Uma rede de câmeras em bastões de fibra de carbono monitorará mais de 4 milhões de quilômetros quadrados de oceano no maior empreendimento desse tipo por qualquer governo nacional. O projeto custará 2 milhões de libras esterlinas, ou quase US $ 3 milhões, e será executado por quatro anos, informou a agência governamental The Foreign and Commonwealth Office (FCO) do Reino Unido.

“Literalmente, cada respiração que respiramos vem dos oceanos. Eles são o maior habitat do nosso planeta”, disse Jessica Meeuwig, professora de ciências marinhas da University of Western Australia e cofundadora da Blue Abacus, empresa de monitoramento de peixes oceânicos que irá treinar pessoas nos territórios para coletar os dados marinhos. “No entanto, sabemos muito pouco sobre nossos oceanos, especialmente à medida que você se afasta de sistemas rasos de recifes de coral para o que gosto de chamar de ‘grande azul’.”

O projeto visa preencher a lacuna de conhecimento ao coletar informações nunca antes registradas sobre o que está acontecendo em partes do oceano distantes da costa, onde antes era difícil monitorar e registrar o tamanho e a densidade da população da vida selvagem. O evento acontecerá nos territórios britânicos ultramarinos, incluindo as Ilhas Cayman, Santa Helena e Anguila.

A rede de câmeras se baseia na iniciativa global 30 por 30, na qual países ao redor do mundo, incluindo EUA, Reino Unido e Canadá, se comprometeram a trabalhar para conservar pelo menos 30% dos oceanos do mundo até 2030. O projeto cria parques marinhos e outras zonas oceânicas especiais onde as pessoas não podem pescar – uma tentativa de aumentar as populações de vida selvagem marinha.

“Isso é super empolgante, que vamos começar a montar ou continuar a criar grandes parques marinhos para interromper e reverter essas tendências de queda em tantas espécies que habitam o maior lugar da Terra”, disse Meeuwig. “Mas como vamos contá-los?”

O projeto usará Baited Remote Underwater Video Systems, ou BRUVS, uma tecnologia adotada pela primeira vez pela equipe de cientistas de Meeuwig na Austrália, para filmar e fotografar populações de vida marinha selvagem longe das costas dos territórios.

O sistema BRUVS suspende várias câmeras instaladas em quadros de fibra de carbono a 10 metros de profundidade em áreas oceânicas profundas. As equipes podem coletar até 100 amostras ao longo de sete a 10 dias em uma determinada área no mar para obter um registro instantâneo de como as populações de peixes e animais selvagens se parecem em um determinado momento.

Com o tempo, as equipes podem comparar os tamanhos e números da vida selvagem de diferentes coleções de amostras para determinar se os esforços para aumentar as populações de peixes e animais marinhos, como 30 por 30, estão funcionando.

O projeto é apoiado pelo governo do Reino Unido, que espera saber quais de seus esforços de conservação dos oceanos estão valendo a pena ou se precisa investir mais na proteção da vida selvagem marinha.

“Tecnologia de ponta, como essas câmeras, será vital em nossa cruzada contra a mudança climática”, disse o primeiro-ministro Boris Johnson em um comunicado. “Nossos especialistas marinhos são líderes mundiais na proteção de nosso oceano e da miríade de espécies que vivem nele.”

Os BRUVS que a equipe de Meeuwig projetou também são peças de tecnologia inovadoras para os governos investirem. Em vez de enviar equipes de especialistas para coletar os dados no mar, os cientistas podem treinar facilmente os residentes dos territórios para usar o sistema.

“Isso é o que há de bom nisso – você não precisa ser um especialista em eletricidade altamente técnico ou algo assim para usar nosso equipamento”, disse Meeuwig. “O que queremos é capacidade local para identificar quais perguntas eles querem responder e depois sair e perguntar a eles.”
Isso é especialmente importante porque os esforços de conservação do Reino Unido são particularmente importantes para as economias locais e costeiras em seus territórios ultramarinos.

“Não temos economias azuis saudáveis. Nossos oceanos não estão nos sustentando economicamente se estiverem em declínio, certo? Portanto, precisamos garantir que todas as jurisdições do mundo tenham as evidências de que precisam para tomar decisões informadas sobre sua economia costeira”, disse Meeuwig.

Meeuwig afirmou estar esperançosa de que o endosso do Reino Unido à sua tecnologia levará outros governos ao redor do mundo, como os dos Estados Unidos e Canadá, a investirem em esforços semelhantes.

“Eu assisti os oceanos morrendo na minha frente desde quando ganhei minha primeira passagem de mergulho com 15 anos de idade”, disse Meeuwig. “Portanto, temos que fazer melhor. E estamos fazendo algum progresso nos recifes de coral e é aí que as pessoas podem fazer snorkel, mergulhar. Mas o que fazemos com os outros 70% do planeta que são azuis?”, acrescentou.

Por Alexandra Marquez/NBC News