Anuncie

(21) 98462-3212

Seca avança no Pantanal; desmatamento da Amazônia é uma das causas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Ministro de Estado do Meio Ambiente, Sr. Ricardo de Aquino Salles faz verificação das atividades de combate ao incêndio no Pantanal. Christiano Antonucci/Secom-MT

Continua em queda o nível do Rio Paraguai, principal fonte de água do Pantanal. Em Cáceres, Mato Grosso, o valor do nível das águas é um dos  menores já registrados nesta época do ano, 64 centímetros,  cinco a menos que na semana anterior.

As chuvas chegaram timidamente em pontos isolados. Para a próxima semana não estão previstas precipitações na área da bacia do rio Paraguai. A partir da semana seguinte, chuvas mais fracas podem cair sobre a bacia, atingindo provavelmente a região localizada mais ao sul do estado de MS. Os dados são do último boletim do Serviço Geológico do Brasil – CPRM.

O pesquisador, Marcus Suassuna afirma que a seca avança de forma rigorosa e explica que a empresa monitora a situação. Os boletins são repassados às companhias de saneamento da região, produtores agrícolas e até institutos internacionais que dependem da hidrovia Paraná- Paraguai.

Com a seca aumentam as queimadas. Felipe Augusto Dias, diretor executivo do SOS Pantanal relata que os reflexos vão desde a falta de água potável para moradores das comunidades até a diminuição de alimentos e água para os animais. Felipe Augusto avalia que a seca que atinge hoje o Pantanal não é um fato isolado, mas sim uma consequência de desmatamento da Amazônia entre outros fatores.

Walfrido Tomas, pesquisador da Embrapa, alerta que há um risco de desastres tanto econômicos como ambientais para o meio ambiente, a agropecuária e agricultura do Pantanal.

José Padua, gerente do sistema da Federação da Agricultura  de Mato Groso do Sul diz que a entidade acompanha a situação, com ações como cursos para prevenção de incêndios.

Os prejuízos já são visíveis  e caros para os moradores da região. Como relatam Eduardo Cruzetta diz que busca alternativas para contornar a situação, como a antecipação da comercialização dos animais.

O governo do Mato Grosso do Sul já decretou estado de emergência por 180 dias na região. A preocupação além da estiagem, são as geadas e os incêndios florestais.

O  governo local afirma  que os trabalhos estão focados na prevenção e com apoio e investimento em equipamentos e treinamentos. O monitoramento da área também está sendo feito via satélite, e a vigilância dos bombeiros e dos setores de fiscalização tem sido diuturna no bioma pantaneiros e nos parques estaduais, com monitoramento aéreo e por imagens de satélites.

Ações de prevenção também em Mato Grosso. Entre outras ações, para combater, evitar crimes ambientais o governo local montou uma operação na região do Pantanal.

A ação é coordenada Secretaria de Estado de Segurança Pública. As forças de segurança irão repassar orientações para as comunidades sobre crimes ambientais.

Fonte: Agência Brasil