Anuncie

(21) 98462-3212

Um grande número de baleias-cinzentas está morrendo de fome no leste do Pacífico Norte

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Mortalidade de baleias-cinzentas é maior. Foto: Fabian Rodríguez-González/Reprodução

Estamos em meados de janeiro de 2021 e as primeiras baleia- cinzentas da população do leste do Pacífico Norte começaram a chegar às lagoas de reprodução na Baja Califórnia, no México. Desde o início de sua migração para o sul de seus locais de alimentação de alta latitude, vários avistamentos de baleias-cinzentas debilitadas já foram relatados ao longo de sua rota de migração.

Isso levantou a preocupação entre os cientistas de que o evento incomum de mortalidade (UME, um fenômeno inesperado durante o qual um número significativo de uma população de mamíferos marinhos morre), que começou em janeiro de 2019, e que até agora resultou em 378 mortes confirmadas de baleias-cinzentas, e possivelmente muitos mais não registrados, está entrando em seu terceiro ano.

Baleia-cinzenta: o mamífero que migra há mais tempo

A baleia-cinzenta (Eschrichtius robustus) é a única espécie viva na família Eschrichtiidae, em homenagem ao zoólogo dinamarquês Daniel Frederik Eschricht. As baleias-cinzentas vivem apenas no Oceano Pacífico. Elas realizam migrações anuais entre áreas de alimentação nos mares de Bering, Chukchi e Ártico, e áreas de reprodução do sul da Califórnia Bight para lagoas ao longo da costa do Pacífico da Baja Califórnia, México.

Durante a temporada de alimentação de verão, entre maio e outubro, as baleias acumulam grande quantidade de reservas de energia, principalmente na forma de gordura, para suportar os custos energéticos da migração e enquanto residem nos criadouros. Reservas suficientes de energia são cruciais para a reprodução e sobrevivência das baleias-cinzentas, que não se alimentam durante a migração e a estação reprodutiva.

Mary Lou Jones e Steven Swartz, co-autor do artigo atual, conduziram a primeira pesquisa e monitoramento das baleias cinzentas de 1977 a 1982 em Laguna San Ignacio (LSI) na Baja California Sur, México. Em 2006, com o colega Dr. Jorge Urban, coautor do atual artigo, deram início ao Laguna San Ignacio Ecosystem Science Program (LSIESP), projeto da Ocean Foundation, em parceria com a Universidad Autónoma de Baja California Sur (UABCS) e colaboradores internacionais.

Drones para estudar a condição corporal das baleias

Em 2017, o Dr. Fredrik Christiansen do Aarhus Institute of Advanced Studies e do Departamento de Zoologia da Aarhus University, e o Professor Lars Bejder da University of Hawai’i em Manoa, juntaram-se ao LSIESP para estudar a condição corporal das baleias-cinzentas com o uso de fotogrametria de drones. A técnica envolve medir o comprimento e a largura do corpo das baleias-cinzentas a partir de fotografias verticais tiradas por drones acima das baleias, a partir das quais uma medida da condição corporal relativa (ou gordura) de cada animal pode ser obtida.

Já no segundo ano de amostragem, os pesquisadores descobriram um declínio acentuado na condição corporal de baleias-cinzentas jovens e adultas que visitam Laguna San Ignacio. A queda também foi visível em 2019, no início da atual UME. O declínio na condição corporal também coincidiu com uma queda no número de casais de filhotes avistados em Laguna San Ignacio, o que indica uma redução na taxa reprodutiva de fêmeas de baleia-cinza.

Um UME semelhante ocorreu em 1999-2000, quando 651 baleias-cinzentas foram registradas como mortas ao longo da costa oeste da América do Norte. Durante esse evento de dois anos, a população de baleias-cinzentas diminuiu em cerca de 25%, de cerca de 21 mil animais em 1998 para cerca de 16 mil em 2002. Ainda não se sabe quais são os efeitos que o atual UME está tendo na população do leste do Pacífico Norte.

Inanição, declínio na disponibilidade de presas e aquecimento

Embora o estudo do Dr. Fredrik Christiansen e colegas sugira que o declínio nas taxas de sobrevivência e reprodutiva da baleia-cinza durante a atual UME foi causado pela fome, os fatores subjacentes que causaram essa redução na condição corporal ainda não foram determinados. O fato de que as baleias-cinzentas em 2018 e 2019 chegaram a seus criadouros mexicanos já em condições corporais significativamente mais pobres, indica que esse declínio deve ter ocorrido durante a temporada de alimentação anterior e / ou durante a migração para o sul.

“Parece que um grande número de baleias-cinzentas está deixando seus locais de alimentação já com um estado nutricional deficiente e, quando concluem a temporada de reprodução no México, elas esgotam suas reservas de energia e morrem de fome”, disse o Dr. Fredrik Christiansen .

Um declínio na disponibilidade de presas nos principais locais de alimentação é, portanto, a explicação mais provável para a UME atual. Desde o final da década de 1980, houve um declínio na abundância e biomassa de anfípodes, a principal presa das baleias cinzentas, na bacia central de Chirikov, a principal área de alimentação das baleias cinzentas no Mar de Bering. Acredita-se que isso, por sua vez, seja causado pelo aquecimento das águas do Ártico como resultado da mudança climática natural e/ou induzida pelo homem. Se for esse o caso, UMEs como este podem se tornar mais frequentes, o que pode resultar em um declínio no número de baleias-cinzentas nas próximas décadas.

Enquanto o mundo continua lutando com a pandemia de Covid-19, os pesquisadores do LSIESP estão se preparando para a temporada de campo de 2021 em Laguna San Ignacio para, com sorte, chegar um passo mais perto de compreender a extensão total da atual UME da baleia-cinza .

Fonte: Universidade Aarhus