Anuncie

(21) 98462-3212

Vírus mortal detectado em golfinhos havaianos pode desencadear surto global entre animais marinhos

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
O vírus foi encontrado em um único golfinho-de-Fraser (Lagenodelphis hosei). Foto: Pixabay

Uma cepa de cetáceo morbilivírus, anteriormente desconhecida, uma enfermidade que pode causar doenças fatais em animais marinhos em todo o mundo, foi descoberta por biólogos no Havaí. O vírus foi encontrado em um único golfinho-de-Fraser (Lagenodelphis hosei), um animal altamente sociável, gerando temores de que possa se espalhar e causar estragos fora do Pacífico central.

Em 2018, um jovem golfinho-de-Fraser foi encontrado encalhado na costa de Maui. Seu corpo estava em boa forma, mas seus órgãos e células apresentavam indícios de doença.

De acordo com Krisi West, pesquisador associado do Instituto de Biologia Marinha do UH Mnoa no Havaí, um estudo genômico de culturas de células identificou o culpado: uma “cepa nova e extremamente divergente de morbilivírus” que os cientistas “antes desconheciam”.
Existem apenas algumas cepas de cetáceos morbilivírus, produzindo epidemias fatais em animais marinhos em todo o mundo, incluindo cetáceos (que incluem golfinhos e baleias).

O vírus que causa o sarampo humano e o vírus que causa a cinomose canina são ambos membros do gênero Morbillivirus. Os resultados do estudo foram publicados nesta semana na “Scientific Reports”.

Os golfinhos-de-Fraser são conhecidos por interagir com outros golfinhos e baleias. São muito sociáveis ​​e amigáveis. Como resultado, os golfinhos-de-Fraser, que são uma espécie oceânica, podem espalhar esta doença altamente contagiosa para outras regiões do planeta, colocando os gestores da vida selvagem marinha e ambientalistas em alerta máximo.

“Também é fundamental para nós aqui no Havaí, porque temos muitas outras espécies de golfinhos e baleias – cerca de 20 espécies na região – que podem ser vulneráveis ​​a uma epidemia desse vírus”, acrescentou West.

“Um exemplo são as nossas falsas orcas ameaçadas de extinção, que se acredita que cheguem a apenas 167 indivíduos. Se o morbilivírus se espalhar por essa população, isso não seria apenas um sério impedimento para a recuperação da população, mas também poderia colocar a espécie em risco de extinção.”

Esta é, sem dúvida, uma situação muito grave. As ocorrências anteriores envolvendo novas cepas de morbilivírus resultaram em taxas de mortalidade significativas entre os golfinhos nas costas do Brasil e da costa oeste da Austrália. Acredita-se que mais de 200 golfinhos da Guiana morreram da doença no Brasil entre novembro e dezembro de 2017.

Imunização em massa

De acordo com os autores do estudo atual, mais pesquisas são necessárias para avaliar as taxas de imunização entre golfinhos e baleias no Pacífico central, de acordo com os autores do estudo atual, uma vez que isso pode ajudar a determinar a prevalência de infecções anteriores e a amplitude da epidemia.

Por outro lado, entender essa doença será difícil. Apenas cerca de 5% dos cetáceos que morrem nos mares do Havaí são recuperados pelo UH Health and Stranding Lab. A equipe incentiva o público a ligar para a Linha Direta de Vida Selvagem Marinha da NOAA se vir algum animal marinho morto ou em perigo.

Um amplo esforço de vacinação pode ser alcançado, o que é encorajador. De acordo com o comunicado à imprensa, a NOAA tem trabalhado em um programa de vacina contra morbilivírus para desenvolver imunidade coletiva entre as  foca-monge-do-havaí (Monachus schauinslandi) ameaçadas de extinção do Havaí.

Fonte: Natural World News