Anuncie

(21) 98462-3212

Aprenda a socializar seu gato

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Comece a socialização o mais cedo possível. Foto: Gerhard Bogner/Pixabay

Se você quer um gato amigável e brincalhão com todos, é importante começar a socialização o mais cedo possível, logo após o desmame até cerca de 16 semanas de vida. Mas, também é possível socializar um gato mais velho, apesar de ser um desafio mais difícil.

“O essencial nesse processo é o tutor ter paciência e carinho para ganhar a confiança do bichano. Acostume-o a ser pego no colo, fazendo com que ele perceba que está seguro em seus braços”, ensina o veterinário Ernani de Castilho.

Para pegá-lo da maneira correta, com uma das mãos apoie o bumbum e a outra a parte de cima do corpo. O filhote deve ser manuseado com bastante cuidado para evitar que se machuque. No caso do gato adulto, deve-se evitar que ele se sinta pendurado, sem sustentação. Dê uma base firmando com uma das mãos por baixo e pegue as duas patas dianteiras com a outra, de modo que o animal se sinta bem seguro.

O filhote deve ser manuseado com bastante cuidado. Foto: Sa Ka/Pixabay

Quando estiver com o gato no colo, faça carinhos no alto da cabeça e fale com ele com voz calma. Se o bichano começar a ficar agitado, respeite-o e solte-o imediatamente. Diariamente, procure dedicar pelo menos 30 minutos para brincar e interagir com ele.

Estimule-o a brincar: pegue um barbante e balance para ele pegar, faça bolinhas de papel, use bolinhas de pingue-pongue, novelo de lã, varinha com penas ou penduricalhos na ponta. “Os gatinhos até se divertem mais com os brinquedos improvisados, com bolinhas de papel e cadarço. Brinque com ele várias vezes ao dia. Mas, se ele ficar agressivo durante as brincadeiras, dê um não firme, pare e se afaste. Mas, não grite com o gato, nem bata nunca no animal. Isso apenas irá aumentar seu medo e desconfiança”, diz o veterinário.

Faça com que o gato se acostume à presença das demais pessoas da casa e das visitas. Mas não force o contato, deixe-o se aproximar por si mesmo. Quanto mais ele for tocado pelo tutor e pelas demais pessoas da casa, mais ele se habituará ao toque e será mais sociável.

Mais dicas:

SESSÃO DE CARINHOS. Faça uma sessão de carinhos para deixar seu gato relaxado e contente. Os felinos, em sua maioria, gostam de ser alisados ao longo do corpo, no sentido do crescimento dos pelos., no pescoço, entre as orelhas, embaixo do queixo e na base da coluna, perto da cauda, como se fosse uma coceirinha.

CAFUNÉ NA PATA. Muitos bichanos gostam que se mexa na palma da pata e entre os dedos. Eles chegam a abrir todos os dedinhos e muitas das vezes ficam se lambendo, como se o tutor o estivesse ajudando a tomar banho. Normalmente, os gatos não gostam de carícias com gestos bruscos que os assustam.

BARRIGA INCOMODA. A barriga é a parte mais sensível do corpo de qualquer animal e a maioria dos gatos se incomoda com carinho nessa região. Alguns até levam na brincadeira, mas que se torna dolorida, pois logo começam a morder a arranhar a mão do tutor.

RON RONS. É fácil perceber quando o gatinho está gostando de receber um cafuné. É só ficar atento aos ron rons baixinhos que eles emitem. Mas, fique atento também aos sinais de que o bichano não quer mais os carinhos. Pare imediatamente se ele der uma leve mordida ou arranhão, rosnar ou ficar inquieto. Respeite-o, deixe-o quieto e deixe os afagos para outro momento.

TEMPO. A socialização demora mais com uns gatos do que com outros. Também há casos em que o bichano é um antissocial irreversível. Seja sempre compreensivo, paciente e amoroso. E em mais complexos, recorra a um veterinário especializado em comportamento animal.

Agradecimento: veterinário Ernani de Castilho.