Anuncie

(21) 98462-3212

China usa ‘hotéis de porcos’ de 13 andares para proteger 10.000 suínos contra vírus e doenças

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Hotéis para proteger porcos de vírus e doenças são usados no Sul da China. Foto: Unsplash

Como a principal fonte de carne e alimentos na China, os porcos são atualmente colocados sob biossegurança para mantê-los livres de doenças e inóspitos a vírus com efeitos devastadores.

No sul da China, foram construídos ‘hotéis de suínos’ de 13 andares para mais de 10.000 porcos, com ótimas comodidades, incluindo câmeras de segurança, refeições cuidadosamente preparadas, serviços veterinários e até robóticos que monitoram os animais em busca de febre, filtram o ar, alimentam-se automaticamente e desinfetam, com acesso restrito.

O complexo em estilo de condomínio serve como fazendas verticais gigantes em resposta ao controle de um surto potencial, como a peste suína africana, que matou cerca de 400 milhões de porcos em 2018, metade dos suínos do país em dois anos.

A rápida redução de suínos no último surto na China levou as empresas, incluindo Muyuan Foods e New Hope Group, a estabelecer controles mais rigorosos, como o de outros países, para prevenir doenças entre os porcos.

“Em 20 anos, fez o que os americanos provavelmente levaram 100 anos para fazer”, disse Rupert Claxton, diretor de carnes da consultora Gira, com base no Reino Unido, observando que a lacuna de biossegurança entre a China, os EUA e a Europa estava diminuindo.

Produção de suínos do país acelerou nos anos seguintes

Após a tentativa da China de implementar novas políticas agrícolas e mover a suinocultura de fazendas de quintal para operações industriais em larga escala, o número de suínos aumentou rapidamente e permaneceu desde o surto de peste suína africana de 2018 .

Em 2020, 57% da produção de suínos do país vinha de fazendas industriais, fornecendo mais de 500 porcos por ano, o que foi considerado um aumento rápido em comparação com 1% de grandes fornecedores antes do surto. O aumento na produção de carne suína levou à queda de preços na China, e as autoridades começaram a comprar carne suína para reservas estaduais para ajudar a sustentar o mercado.

‘Hog hotels’ são equipados com um sistema que evita surtos

Embora tenha havido apenas 11 incidentes de febre suína africana relatados em 2021 até agora, o ministério da China acredita que as novas cepas do vírus começaram a surgir na população de suínos, daí a decisão de sacrificar mais de 2.000 porcos para conter um possível surto. Também estão esperançosos de que os ‘hotéis de suínos’ sejam capazes de oferecer um local seguro e preventivo de surtos, com seus sistemas de alta tecnologia que permitem monitorar as condições dos animais e desinfetar o local.

Além disso, os protocolos são estabelecidos com firmeza e rigor devido ao elevado número de porcos que ali vivem. Isso significa que até mesmo um pequeno risco de surto pode se espalhar dentro da fazenda de forma muito rápida e fácil.

Outras medidas preventivas, como certificar-se de que os funcionários tomam banho e se trocam com roupas limpas antes de cuidar dos porcos, são observadas. Relógios de pulso também não são permitidos ao entrar nas instalações. Os funcionários até têm seus dormitórios como uma tentativa de limitar o contato dos trabalhadores com o mundo exterior.

Essas restrições são fornecidas para garantir que todas as necessidades de uma granja de suínos sejam atendidas, mesmo que isso signifique morar próximo aos locais.

Fonte: Natural World News