Anuncie

(21) 98462-3212

Dodô, uma lembrança icônica da extinção causada pelo homem

Dodô exposto no Museu de História Natural de Londres. Foto: HM Cotterrill/Flickr/Reprodução

O dodô (Raphus cucullatus) é uma espécie extinta de ave que já viveu em Maurício, uma ilha ao largo da costa de Madagascar. Parentes distantes da família dos pombos (Columbidae), os dodôs são frequentemente referenciados como um exemplo de extinção causada pelo homem.

Sem voo, lentos para se reproduzirem e confinados a uma única ilha, os dodôs eram vulneráveis à chegada de humanos e ratos, bem como a introdução de animais domesticados na final de 1500. Cerca de um século depois, tudo o que restou da espécie foram algumas pinturas e descrições escritas, juntamente com uma pequena coleção de ossos.

O dodô era um pássaro grisalho, de tom marrom-cinzento com asas minúsculas, pernas fortes e um bico grande. Ele tinha até 70 centímetros de altura e 20 quilos, de acordo com um estudo de 2004 publicado na revista Biologist. Os machos eram ligeiramente maiores que as fêmeas. Em comparação com perus e cisnes selvagens modernos, dodôs eram mais curtos, mas mais pesados.

Essas aves foram levadas à extinção muito antes que a fotografia pudesse capturar sua imagem e algum espécime taxidermizado.

O paleontólogo Julian Pender Hume, pesquisador do Museu de História Natural em Londres, relatou à revista Vice que o chamado dodô taxidermizado em exposição no Museu é feito de penas de ganso e cisne, que foram coladas a um modelo de gesso por um homem que nunca tinha visto um dodô.

Para ter evidências de como realmente eram os dodôs, os pesquisadores modernos preciso recorrer a pinturas históricas e outras obras de arte, bem como descrições dos primeiros visitantes árabes e europeus às Ilhas Maurício. E tais registros nem sempre foram precisos.

Um artista europeu em particular, o pintor flamenco do século 17 Roelant Savery, é o grande responsável pela imagem rotunda do dodô que proliferou em outras obras de arte e desenhos animados. O dodô rechonchudo de Savery levou muitos a perceberem os pássaros como lentos e desajeitados. Mas, segundo Hume, as evidências de ossos de dodô sugerem que os pássaros eram animais ágeis e que poderiam ultrapassar os humanos em terrenos rochosos. De acordo com o Museu, o dodô tinha um cérebro grande e glândulas olfativas bem desenvolvidas, indicando que, ao contrário de sua reputação popular, era relativamente inteligente e provavelmente tinha um olfato apurado.

Dodôs viviam na ilha vulcânica subtropical de Maurício, agora um estado independente composto por várias ilhas no Oceano Índico. Maurício localiza-se a cerca de 1.100 km de Madagascar, na costa sudeste da África.

Maurício e suas ilhas vizinhas não abrigavam população humana permanente antes que a Companhia Holandesa das Índias Orientais estabelecesse um assentamento por lá em 1600, de acordo com o Departamento de Antropologia da Universidade de Stanford. A essa altura, os visitantes anteriores da ilha já tinham introduzido tantos predadores, que os dodôs não percorriam mais as praias e montanhas. Mais tarde, o desmatamento removeu grande parte do habitat florestal da espécie.

O dodô foi extinto por uma combinação fatal de evolução lenta e rápidas mudanças ambientais, de acordo com a National Geographic. Altamente especializada em seu ambiente, a espécie que não voa e de reprodução lenta era vulnerável à introdução repentina de predadores em sua ilha outrora segura.

Por milhões de anos antes de os exploradores humanos pisarem em Maurício, a ilha não tinha grandes predadores terrestres. A vida selvagem local evoluiu para preencher vários nichos ecológicos, mas essas espécies isoladas demoraram a responder às ameaças recém-chegadas do outro lado do oceano.

E não foram apenas os humanos que consumiram os dodôs. Em vez disso, uma série de espécies introduzidas – incluindo ratos, porcos, cabras e macacos – provavelmente capturou e comeu dodôs e seus ovos, de acordo com um estudo de 2016 no Journal of Vertebrate Paleontology. Tragicamente para os dodôs, cada ovo devorado representava a única chance de reprodução de uma fêmea naquele ano. Mas para os recém-chegados à ilha, essas refeições nutritivas e fáceis foram convenientemente localizadas ao fácil acesso no chão da floresta. Se algum dos preciosos ovos sobreviveu e eclodiu, os animais introduzidos provavelmente superaram dodôs juvenis e adultos por uma oferta limitada de alimentos, escreveu Hume em 2006 na revista Historical Biology.

Hoje, o dodô está oficialmente listado como extinto pela União Internacional para a Conservação da Natureza.

Um dodô retratado na obra do pintor flamenco do século 17 Roelant Savery

Quando ocorreu a extinção do dodô?

A data oficial de extinção do dodô não é certa. Ao contrário do tilacino, também chamado de tigre da Tasmânia ou lobo da Tasmânia (Thylacinus cynocephalus), uma espécie cujo último indivíduo conhecido morreu em cativeiro em 1936, as populações de dodô diminuíram longe da observação humana, por volta de 1662, de acordo com um estudo de 2004 publicado na revista Nature.

Alguns pesquisadores, no entanto, apontam relatos de dodôs nas Ilhas Maurício no final da década de 1680.
No estudo publicado na Nature, os pesquisadores utilizaram um método estatístico para estimar a extinção do dodô, datando para o final de 1690.

Será possível ter essa ave de volta à vida?

É improvável que vejamos um dodô andando pela Terra novamente tão cedo, de acordo com a bióloga molecular evolutiva Beth Shapiro, professora do Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva da Universidade da Califórnia.

“Há uma série de razões pelas quais os dodôs seriam complicados para ressuscitar”, disse Shapiro ao Live Science. “Eles não são bons candidatos à clonagem, porque há muito poucas fontes de DNA da espécie. A reprodução desses pássaros é realmente complicada e não há necessariamente um habitat para eles voltarem.”

“Quando a maioria das pessoas pensa em desextinção, está imaginando a clonagem”, disse Shapiro.

A clonagem, mesmo processo que criou a ovelha Dolly, em 1996, e a doninha-de-patas-pretas Elizabeth Ann, em 2020, cria uma cópia genética idêntica de um indivíduo ao transplantar DNA de uma célula adulta viva para um óvulo do qual o núcleo foi removido. As células adultas contêm todo o DNA necessário para se desenvolver em um animal vivo. Os óvulos usam esse DNA como um modelo para se diferenciar nos muitos tipos de células – pele, órgãos, sangue e ossos – de que o animal precisa.

Mas não existem células vivas de dodôs, nem existem há centenas de anos. Em vez disso, disse Shapiro, você teria que começar com o genoma de um animal intimamente relacionado e depois ajustá-lo para se parecer com o de um dodô.

Por exemplo, os mamutes também estão extintos e os cientistas não encontraram nenhuma célula de mamute viva. Mas esses animais estavam intimamente relacionados aos elefantes asiáticos modernos (Elephas maximus). Então, pesquisadores como George Church, professor de genética na Harvard Medical School em Boston, estão tentando trazer os mamutes de volta da extinção criando uma espécie híbrida, com alguns mamutes genes substituindo parte do genoma do elefante em uma célula-ovo de elefante. No entanto, provavelmente existem milhões de diferenças genéticas entre o genoma de um elefante asiático e o de um mamute, de acordo com Shapiro. Na melhor das hipóteses, os pesquisadores só podem esperar produzir um animal que tenha algumas características de mamute, em vez de ressuscitar uma espécie extinta.

Escultura representando a extinta ave no Parque Temático Gondava, na Colômbia. Foto: Pixabay

Quanto ao dodô, seu parente vivo mais próximo é o pombo-de-nicobar (Caloenas nicobarica), um pássaro voador muito menor e mais colorido encontrado nas ilhas Andaman e Nicobar na Índia; o arquipélago malaio; as Ilhas Salomão; e a República de Palau, um país insular no oeste do Oceano Pacífico. Mas enquanto mamutes e elefantes asiáticos são parentes próximos (eles evoluíram de um ancestral comum há 5 milhões de anos), faz mais de 20 milhões de anos desde que o dodô e o pombo-de-nicobar tiveram ancestrais comuns. As diferenças genéticas entre as duas espécies de aves são, portanto, muito maiores, tornando mais difícil criar um híbrido de sucesso em laboratório, destacou Shapiro.

Em 2022, Shapiro soltou uma inesperada notícia sobre a espécie extinta quando reconheceu, em resposta a uma pergunta do público em um webinar da Royal Society, que ela e seus colegas haviam sequenciado com sucesso todo o genoma do dodô. A pesquisa ainda não foi revisada por seus pares, mas Shapiro ficou surpresa com a resposta animada do público e da imprensa ao seu anúncio não intencional. A equipe pretende publicar a pesquisa no futuro.

Reconstruir o genoma do dodô não foi tarefa fácil. Primeiro, Shapiro e sua equipe tiveram que encontrar DNA de dodô intacto, enterrado na medula óssea que sobreviveu centenas de anos no ambiente quente e úmido das ilhas Maurício (e provavelmente ciclones tropicais também). Em seguida, eles tiveram que descobrir qual DNA recuperado pertencia ao dodô e qual pertencia a fungos e bactérias que invadiram os ossos enquanto se decompunham.

Mas esse sucesso não garante a ressurreição do dodô. Mesmo com um genoma da espécie totalmente reconstruído, os pesquisadores enfrentam outro problema substancial: os sistemas reprodutivos das aves.

Enquanto os mamíferos produzem óvulos que os cientistas sabem como colher e manipular, os óvulos das aves são complicados. Para encontrar e substituir o DNA de um ovo de pássaro, os pesquisadores teriam que localizar de forma segura e não destrutiva o núcleo microscópico do ovo, que poderia estar flutuando em qualquer lugar dentro de uma gema volumosa. Encontrar o pequeno pacote de material genético é como “procurar uma bola de gude branca em uma poça de leite”, comentou Ben Novak, cientista-chefe do grupo de conservação de extinção Revive & Restore, à revista Audubon. Portanto, substituir esse material genético por DNA alterado para produzir um clone é impossível, afirmou. Em sua própria pesquisa sobre a extinção de pombos-passageiros (Ectopistes migratorius), a estratégia é alterar as gônadas das aves. Ao alterar o esperma e os óvulos produzidos pelos pais das aves, os pesquisadores esperam produzir descendentes com os genes desejados.

Mesmo que os cientistas consigam reviver os dodôs, a ilha onde eles viveram é um lugar muito diferente hoje em dia. O desmatamento, as espécies invasoras e a habitação humana impossibilitariam a reintrodução do dodô sem grandes intervenções. “Se não tivermos resolvido o problema que causou sua extinção em primeiro lugar, talvez não valha a pena gastar toda a energia e esforço necessários para trazê-los de volta”, concluiu Shapiro.

Fonte: Live Science

Leia mais: Ressurreição animal: mamute extinto há 4 mil anos voltará a habitar a Terra?

Leia mais: Conheça surpreendentes ancestrais de elefante que já vagaram pela Terra

Leia mais: ‘Cemitério de mamutes’ de 220 mil anos é descoberto no Reino Unido